//Fatias de Tomar

Fatias de Tomar

É um doce feito com muitas gemas de ovos, açúcar e água.

A primeira referência conhecida às Fatias de Tomar data de 1876, no livro de João da Mata “Arte de Cozinha” e, embora tenham começado por ser conhecidas como Fatias da China, na realidade, têm a sua origem em Tomar, conforme afirma Emanuel Ribeiro, em 1928, no seu livro “O Doce nunca Amargou”.

É um doce feito com muitas gemas de ovos, açúcar e água. À partida, nada de muito diferente em relação a qualquer outro manjar da doçaria tradicional portuguesa, não fosse o facto de, neste caso, as gemas serem batidas vigorosamente durante cerca de uma hora e depois cozidas em banho-maria, numa dupla panela concebida para o efeito. Trata-se de uma panela de folha, munida de uma chaminé pela qual se acrescenta água a ferver, permitindo uma cozedura em banho-maria a temperatura constante. Essa panela é, por si só, um produto característico e artesanal da região, inventado por um mestre latoeiro em meados do século XX e só é vendido em Tomar, com a receita no interior.
Este doce possui uma textura única, a que a calda de açúcar, no final, confere outra doçura. Estando pronto, apresenta a forma de fatias de pão bem amarelinho, com uma consistência macia e húmida.

Ingredientes

24 gemas de ovos ; 1 kg de açúcar.

Preparação

Separam-se as gemas das claras apenas no momen¬to em que vão ser batidas. As gemas são batidas durante uma hora, se for à mão, ou durante vinte minutos, se for com a batedeira. Deita-se a massa numa forma oval com tampa, criada especificamente para o efeito, muito bem untada. Introduz-se a forma em banho-maria, com a água já a ferver, e deixa-se cozer durante uma hora sem nunca interromper a fervura da água. Desenforma-se e corta-se às fatias. Para a calda, leva-se o açúcar ao lume a ferver com um litro de água, até atingir um ponto muito baixo. Introduzem-se as fatias nesta calda, deixando-as ferver um pouco e virando-as. Colocam-se as fatias numa travessa e regam-se com a calda.

Harmonização (Vinhos do Tejo)

As fatias de Tomar são geralmente comidas como sobremesa e para as acompanhar, recomenda-se uma ‘flute’ de espumante, um tipo de vinho que começa a surgir na região Tejo com excelente qualidade. A boa concentração em fruta aliada à frescura do espu¬mante limpará o palato dos sabores intensos das gemas e do açúcar.

Texto e foto: ‘Os Sabores da Nossa Terra’ – ADIRN – Associação para o Desenvolvimento Integrado do Ribatejo Norte.