//Desperdício alimentar, um problema alarmante
desperdício alimentar

Desperdício alimentar, um problema alarmante

Um milhão de toneladas de alimentos são desperdiçadas todos os anos em Portugal.

No dia 29 de setembro assinala-se o ‘Dia Internacional da Consciencialização Sobre Perdas e Desperdício Alimentar’, decretado pela ONU, pela primeira vez, a 29 de setembro de 2020, no mesmo dia em que nasceu o Movimento ‘Unidos Contra o Desperdício’.

De forma a consciencializar a população para a importância e urgência de combater o desperdício alimentar está a decorrer uma campanha de comunicação assinada pela agência ‘O Escritório’.

Entre outdoors com mensagens criativas e desafiadoras espalhados pelas estações de metro da capital e uma plataforma digital com receitas que mostram como aproveitar os mais variados alimentos, o objetivo é demonstrar que as soluções podem ser simples e estão ao alcance de todos.

Esta é uma batalha que pode vir a tornar-se numa das principais lutas mundiais, pautada pela desigualdade, e apresenta um cenário devastador em Portugal, onde os números falam por si: enquanto cerca de 1.600.000 portugueses vivem abaixo do limiar da pobreza, sendo que cerca de 360.000 têm carências alimentares, estima-se que 1.000.000 de toneladas de alimentos são desperdiçadas todos os anos, quase 100Kgs por cada português.

 

E se o desperdício alimentar fosse um país?

No resto do mundo os valores do desperdício alimentar não são menos preocupantes. Segundo o último estudo do BCG – BOSTON CONSULTING GROUP, se o desperdício alimentar fosse um país, estaria entre os 7% mais ricos. Estima-se também que em 2030 o impacto económico do desperdício alimentar será de 1.5 biliões de euros e, em termos ambientais, o estudo revela que se o desperdício alimentar fosse um país, seria o 3º maior emissor de gases com efeitos de estufa, com aproximadamente 10% do total das emissões de CO2 no Mundo.

O estudo conclui ainda que, no que diz respeito ao desperdício alimentar por agregado familiar, globalmente situa-se em cerca de 75kgs/ano e é no consumo que reside a maior fonte de desperdício, representando praticamente 40% do desperdício total.

Após dois anos, Francisco Mello e Castro, coordenador do Movimento ‘Unidos Contra o Desperdício’, faz um balanço muito positivo da atuação do mesmo. “Sendo um projeto de sensibilização e não tendo uma componente operacional, visto que quem efetivamente combate o desperdício são particulares e as empresas que já aderiram à causa, é-nos difícil medir os resultados alcançados pelo Movimento na redução do desperdício alimentar. Sabemos, no entanto, que muitos têm sido os casos de sucesso neste combate, já que inúmeras empresas e cidadãos comuns estão a mudar os seus processos e estilos de vida com a ajuda da influência positiva do Movimento e das suas campanhas”, afirma.

 

Sobre o Movimento ‘Unidos Contra o Desperdício’

Dois anos após a criação do projeto, o Movimento conta com mais de 3.000 particulares e 300 empresas aderentes, que têm provado que juntos, com comportamentos cívicos e responsáveis, é possível a diferença e contribuir para combater o desperdício alimentar.

Com o objetivo de alertar para esta questão e para a importância de se mudarem os comportamentos dos portugueses, este é um movimento cívico que une a sociedade num combate ativo ao desperdício alimentar, consciencializando a população para os impactos negativos que o mesmo agrega, tanto a nível social, como económico e ambiental. Desde que surgiu e através dos seus parceiros, o Movimento já contribuiu para que toneladas de alimentos fossem reaproveitados e distribuídos por quem mais precisa, evitando que fossem desperdiçados. Contando, desde a sua fundação, com o Alto Patrocínio do Presidente da República e com o apoio do Secretário-Geral da ONU, António Guterres, este é um projeto que pretende continuar a sensibilizar os portugueses para combater o desperdício, desenvolvendo diversas ações com forte impacto no dia a dia de todos nós.