//Arroz de Sarrabulho à Moda de Ponte de Lima premiado
feira do cavalo

Arroz de Sarrabulho à Moda de Ponte de Lima premiado

Arroz de Sarrabulho à Moda de Ponte de Lima Vence Prémio Cinco Estrelas Regiões.

O património gastronómico Alto-Minhoto é riquíssimo em variedade e em qualidade e encontra em Ponte de Lima um dos locais de mais significativa expressão, nomeadamente com o Arroz de Sarrabulho à Moda de Ponte de Lima, uma receita onde o porco é rei, que as gentes da terra souberam manter inalterável ao longo dos anos.

Não é, portanto, de estranhar, que este ex-libris da gastronomia limiana tenha vencido o prémio Cinco Estrelas Regiões. Esta distinção reconheceu e premiou o melhor dos destinos portugueses pelo 5º ano consecutivo.

O Arroz de Sarrabulho à Moda de Ponte de Lima, voltou este ano a ser distinguido de entre as várias marcas portuguesas e ícones de referência nacional, com o ‘Prémio Cinco Estrelas Regiões’.

Merecedor desta distinção pelos consumidores, empresários da restauração e produtores de vinho, são milhares os visitantes à Vila Mais Antiga de Portugal, para provar o afamado Sarrabulho à Moda de Ponte de Lima, uma marca identitária do concelho e da gastronomia Portuguesa, contribuindo para a dinamização turística e económica de Ponte de Lima.

A autenticidade deste prato ancestral, faz-se acompanhar de enchidos e fumados. Arroz, sangue, carnes (de galinha, vaca e de porco desfiadas) respetivamente das raças minhotas e bísaro são os ingredientes essenciais desta iguaria que terá nascido em meados do século XIX, pelas mãos de Clara Penha, considerada a pioneira da restauração contemporânea de Ponte de Lima e a grande referência da origem do Arroz de Sarrabulho à Moda de Ponte de Lima.

No início do século XX, foi pela intervenção de Clara Penha, dona de uma das mais importantes pensões de Ponte de Lima, que o Sarrabulho, de cozinha étnica e familiar, rico de ingredientes e sabores, passou a ser servido nos mais diversos restaurantes da Ribeira Lima.

Com o passar do tempo as gentes da terra souberam manter esta receita inalterável.

Intimamente ligado à agricultura, à época das colheitas e à matança do porco, este prato nasceu num contexto ligado ao trabalho no campo, e posteriormente passou da cozinha familiar, para a comercial.

Este prato havia sido já distinguido em 2019 e 2020 pelo Prémio Cinco Estrelas Regiões, um sistema de avaliação que distingue marcas, produtos, recursos patrimoniais e serviços de grande relevo e potencial de valorização.

A Gastronomia continua a ser a área de maior destaque em Portugal, com 35 vencedores nas categorias de Cozinha Tradicional Portuguesa, Doçaria Regional, Produtos Tradicionais Portugueses e Vinho. No total foram distinguidos 114 ícones regionais e 112 marcas locais.

A edição regional do Prémio Cinco Estrelas visa valorizar e dar a conhecer o melhor de cada uma das regiões portuguesas ao nível da gastronomia, recursos naturais, manifestações culturais, monumentos e património, entre várias outras categorias. São igualmente reconhecidos os negócios regionais que se diferenciam pela sua qualidade. A metodologia Cinco Estrelas é uma metodologia própria, original, criada pelas fundadoras do projeto e da empresa Five Stars Consulting Portugal, Lda.

Arroz de Sarrabulho premiado

 

Sobre os Prémios Cinco Estrelas

O Prémio, que de acordo com a organização apresenta um elevado nível de exigência e rigor da metodologia, destaca um grupo restrito de marcas que se evidenciam pela sua excelência e elevado nível de satisfação global junto dos consumidores. Esta distinção pretende não só reconhecer empresas portuguesas que se diferenciam a nível regional, mas também identificar o que de melhor existe em Portugal ao nível de gastronomia, sítios e património, cultura e lazer, hotelaria, tecnologia, desporto e diversos outros ícones de referência e interesse nacional.

O Prémio Cinco Estrelas Regiões aplica-se a produtos e serviços de presença regional, pretendendo enaltecer o impacto que as empresas revelam na promoção do nosso país a nível económico e social, para além da riqueza patrimonial que caracteriza e valoriza o nosso país numa vertente igualmente turística, região a região.

Arroz de Sarrabulho premiado

 

Clara Penha – Casa dos Sabores

Conhece-se o profissionalismo de Clara Penha, que alguns textos registaram para o futuro.

Clara comandava um regimento de mulheres a preparar o repasto para o jovem padre, fidalgos, clero e ricos-homens do Vale do Lima. A sua sobrinha, Belozinda Penha Varela (1908-2002), deu seguimento ao seu labor, o qual foi proliferando na restauração de Ponte de Lima, pelas ligações matrimoniais com outras famílias ligadas à gastronomia limiana, bem como através de muitas cozinheiras afamadas, originando um notável conjunto de restaurantes que dão continuidade ao trabalho iniciado por todas aquelas precursoras.

O emblemático edifício onde funcionou o Restaurante Clara Penha, na Rua General Norton de Matos, em Ponte de Lima, foi recuperado pelo Município de Ponte de Lima em 2013, sendo atualmente um espaço (Clara Penha – Casa dos Sabores) destinado a promover e a valorizar a cozinha do Alto Minho, nomeadamente o genuíno Arroz de Sarrabulho.

O Local desenvolve também ações de defesa e promoção da gastronomia tradicional limiana e funciona como centro de formação na área gastronómica.

Fonte: https://www.pontedelimacultural.pt/

 

Receita de Arroz de Sarrabulho à moda da Clara Penha

Deixamos abaixo uma receita de Arroz de Sarrabulho à moda da Clara Penha que a ACPP – Associação de Cozinheiros Profissionais de Portugal apresenta no seu site.

Ingredientes:

– 350 g de carne de vaca (ganso redondo)

– ¼ de 1 galinha gorda

– 350 g de costela de porco fresco, s/osso

– Meio osso de assuam fresco

– 100 Gramas de chouriço de carne

– Meio coração de porco

– 200 Gramas de bofe de porco

– 400 g de arroz

– 3 dl de sangue de porco (ao qual se juntou vinagre para não coagular 3 dl)

Preparação:

Num tacho põe-se as carnes todas a ferver em três litros de água fria, junta-se louro, cravinho, noz-moscada, sal e pimenta. Deixam-se cozer as carnes muito bem, retirando a espuma que se forma na superfície. Logo que as carnes estejam bem cozidas, retira-se tudo do lume.

As carnes depois de arrefecidas são desfiadas.

À calda de cozer as carnes, depois de retificadas o sal e pimenta e retirada a gordura que tenha a mais, leva-se novamente ao lume e deixa-se levantar fervura. Junta-se-lhe o arroz. Quando este estiver meio cozido, juntam-se-lhes as carnes desfiadas e o sangue liquefeito. Retificam-se temperos e deixa-se ferver até o arroz estar completamente cozido. Junta-se então sumo de limão, cravinho e cominhos em pó. Serve-se de imediato.

Em travessa à parte, vão os rojões e as frituras de beloura, chouriça de verdes e tripas enfarinhadas. Os rojões levam também batata loura, cortada em cubos e vão guarnecidas as travessas com limão às rodelas e salsa em ramo.

 

Imagem Arroz de Sarrabulho: CM Ponte de Lima