//Túberas mexidas com ovos

Túberas mexidas com ovos

As Túberas ou Túbaras são fungos que se desenvolvem em simbiose com as raízes dos carvalhos ou dos sobreiros, debaixo de terra, e que aparecem em Portugal depois das chuvas do Inverno, a partir dos finais de fevereiro até ao princípio de maio, principalmente no Ribatejo e no Alentejo.

Conforme a zona, também são chamadas tubras, criadilhas ou batatilhas. Pertencem à família das trufas negras do Périgord ou das trufas brancas de Itália e, embora o seu sabor seja suave e delicado, o aroma é menos intenso, pelo que o seu valor comercial é muito inferior ao das suas parentes estrangeiras. Convém, por isso, combiná-las com ingredientes de sabor e aroma discretos para não serem anuladas. Para a colheita das Túberas, percorrem-se os campos, reconhecendo os montículos de terra que surgem na base das árvores, como os das toupeiras. Desenterram-se com auxílio de um sacho ou de um pau, mas, antigamente, recorria-se a um porco, que esgravatava a terra quando reconhecia a presença das Túberas pelo cheiro.

A maioria dos portugueses desconhece esta iguaria, pois o segredo da sua apanha é ciosamente guardado, sendo passado de pai para filho e raramente partilhado fora do círculo familiar.

Ingredientes
Túberas; azeite ou banha; ovos; salsa; manteiga; sumo de limão; sal.

Preparação
Arranjam-se as túberas e, com o auxílio de uma escovinha, limpam-se de toda a terra agarrada. Cortam-se depois em pequenas rodelas. Salgam-se e fritam-se em bom azeite ou banha. Batem-se os ovos juntamente com a salsa picada, adicionam-se-lhe as túberas fritas e vai tudo a fritar numa frigideira com manteiga, mexendo sempre e juntando um pouco de sumo de limão. Devem ficar untuosas.

Harmonização proposta pela CVR Tejo
Tratando-se de um prato à base de ovos, o acompanhamento deve ser feito com vinho branco da Região Tejo, de preferência de uva Chardonnay, que é mais encorpada e aromática, e que tenha passado algum tempo em barris de carvalho. Esta uva dá origem a um vinho apelativo de aromas e sabores, que reflete as características da região onde cresce.

Texto e fotos: Livro ‘Os Sabores de nossa Terra’ – Associação para a Promoção Rural da Charneca Ribatejana.