//Alimentação I: Comer à mesa ‘é’ civilização

Alimentação I: Comer à mesa ‘é’ civilização

O principal fator que distinguia o homem civilizado dos bárbaros era a comensalidade, o estar à mesa com outros.

Foi há mais de dois mil anos, mas são curiosidades muito interessantes para a atualidade, embora venham da Antiguidade Clássica, período que vai aproximadamente do século VIII a.C., ao século V d.C. e foi marcado pela Grécia e a Roma antigas.

Mesa distingue os civilizados dos bárbaros

Vivemos atualmente um período das nossas vidas em que alguns podem ainda sentar-se à mesa com o núcleo muito restrito de família, mas não por exemplo, com a família alargada para assinalar a Páscoa, com os amigos para uma comemoração de aniversário ou outras. É por isso interessante verificar que no sistema de valores da antiguidade, o principal fator que distinguia o homem civilizado dos bárbaros era a comensalidade, o estar à mesa com outros.
Entendia-se que o homem civilizado não comia apenas por fome, para satisfazer uma necessidade fundamental do corpo, mas também (e sobretudo) para transformar essa ocasião num momento de sociabilidade. Pode dizer-se que a comensalidade era percebida como um elemento ‘fundador’ da civilização humana.

Confrontados com a ausência desta componente social tão importante sobretudo para os habitantes do sul da Europa, esta é também uma razão para mantermos o discernimento quanto à importância de preservarmos as bases da civilização humana.

Tempos virão em que voltaremos a encontrar-nos à mesa, ‘readquirindo’ a condição de ‘civilizados’, o que inclui os necessários cuidados com a saúde, tão próprios dos tempos atuais, mas que já o eram há dois mil anos.

Saúde e Alimentação

Na verdade, está hoje comprovado que os médicos da Antiguidade Clássica conheciam os efeitos preventivos e terapêuticos da alimentação. Para fundamentar este facto, abordaram-se textos de Hipócrates em que este revela não apenas alguns dos produtos alimentares consumidos pelos gregos mas também a associação entre os alimentos e o combate a doenças.

Hipócrates, considerado um dos pais da medicina ocidental, é autor de uma frase que ficou célebre: “Seja o teu alimento o teu medicamento e seja o teu medicamento o teu alimento”.

O reconhecimento da importância do autor desta frase na medicina poderá justificar que atualmente os médicos, por ocasião da sua formatura, façam o chamado juramento de Hipócrates.

Amilcar Malhó