//Vinho ‘Sangue de boi’

Vinho ‘Sangue de boi’

Lenda do Sangue de Boi terá ocorrido na sequência de uma batalha no século 16, na Hungria.

Na Hungria há um vinho muito conhecido e valorizado, o Tokay (ou Tokaji) que é produzido com ‘uvas apodrecidas’ atacadas pelo fungo Botrytis cinérea, que provoca um efeito conhecido como ‘podridão nobre’.

Mas não é desse vinho que falamos, mas sim de outro que terá ‘nascido’ a cerca de uma centena de quilómetros do centro da região de Tokaji, onde si localiza a vila de Eger, onde teria nascido o vinho Egri Bikavér, o ‘Sangue de Boi’ original.

Conta-se que a lenda vem do cerco otomano à cidade em 1552, quando o castelo resistiu heroicamente ao cerco inimigo, forçando mesmo os turcos a recuarem. O dono do castelo, para encorajar as suas tropas mandou trazer vinho das suas caves e, como diz a lenda, depois de beber o vinho os soldados ganharam uma nova força e entusiasmo.

Os turcos ficaram impressionados com a nova intensidade dos soldados húngaros e repararam no líquido vermelho que lhes escorria pelas barbas. E houve um que disse e muitos outros repetiram a novidade: os resistentes tinham bebido vinho com sangue de touro misturado, ganhando assim a força do animal cujo sangue agora lhes corria pelas veias. Para dar maior grandiosidade ao feito, diz-se que apenas 2 mil homens resistiram a um exército invasor 40 vezes maior por mais de um mês.

Claro que entretanto surgiram opiniões que tentam ‘desmontar’ esta versão lendária, nomeadamente demonstrando que não há evidências de plantações de uvas tintas na Hungria antes da ocupação turca.

 

Também há quem defenda que o nome Bikavér estará ligado a János Garay, poeta húngaro, e a um poema de poema seu, de 1846:
“Despeje-o no seu copo e verá um milagre!
Tem a cor do sangue do touro, mas a pérola que nela brilha é como a neve, branca.
E a videira que a produziu é verde como um prado.
Onde mais se poderia encontrar uma tricolor (bandeira) mais bonita da nossa bela pátria?”

 

Mas a verdade é que o ‘Sangue de Boi’ sobrevive a todas as tentativas de desmontar a lenda provando, mais uma vez, como um boa história pode ajudar a vender. E a fama deste vinho é tão grande que nesta região quase passam despercebidos os vinhos produzidos com uvas brancas cujas origens remontam ao século XIII, plantadas por monges cistercienses.