//Vinho quer fim das restrições horárias

Vinho quer fim das restrições horárias

Setor pede o regresso d a venda de vinhos a partir das 20h nos supermercados e nos hipermercados.

São várias as vozes que nos últimos tempos vão reclamando o fim das atuais limitações à comercialização de vinhos, como é o caso de Frederico Falcão, presidente da Viniportugal, para quem “já não faz sentido” a medida introduzida devido à pandemia de covid-19. Também o presidente da Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes (CVRVV) disse esperar que possa voltar-se “à liberdade de venda e ao consumo responsável”.

Agora foi a Associação das Empresas de Vinho Porto (AEVP) a pedir o fim da proibição de venda de vinhos nos supermercados após as 20 horas, considerando que a medida “em nada contribui” para o objetivo anunciado.
Revogar a medida é uma questão de bom senso já que o vinho adquirido nestas unidades comerciais “consome-se em casa e não há qualquer indicação de que seja com esta proibição que se possam evitar ajuntamentos”, afirma a diretora-executiva da AEVP, Isabel Marrana.

Depois de aplicada na Área Metropolitana de Lisboa a medida foi alargada ao resto do território nacional a partir de 15 de setembro, data em que foi declarado o estado de contingência em todo o país, resultando na proibição da venda de bebidas alcoólicas na moderna distribuição, a partir das 20 horas.

Em informação enviada às redações, a AEVP lembra que o vinho é “parte integrante da vida e da cultura portuguesas” e sublinha trata-se de um “instrumento relevante para a manutenção das comunidades rurais, ordenamento do território, emprego, oportunidades de investimento, estabilidade económica e sustentabilidade ambiental”.

Com as vendas de vinho do Porto no mercado nacional a caíram 40% devido à diminuição da procura turística e apesar da quebra de vinhos do Douro ser menor (19,5%), a AEVP diz acreditar que “o Governo terá a capacidade de retirar esta medida que todos sentem apenas como penalizadora”, acrescenta.