//O vinho dos lagares ‘escavados nas rochas’

O vinho dos lagares ‘escavados nas rochas’

Valpaços quer que os ‘lagares rupestres’ venham a receber distinção de património mundial pela UNESCO.

Em novembro do ano passado foi criada, em Valpaços, a Associação Portuguesa dos Lagares Rupestres (LARUP) com o objetivo de promover o património arqueológico e natural daquele concelho, com destaque para os lagares rupestres que o município pretende incluir na lista do património mundial da UNESCO.

Representando os mais antigos vestígios associados que podem ser associados ao cultivo da vinha no território do Douro e Trás-os-Montes, os investigadores acreditam que nesta região a produção de vinho pode ter origem na pré-história.

É no concelho de Valpaços que se encontra a maior concentração de lagares rupestres de toda a Península Ibérica, um facto que leva o presidente da câmara a acreditar no contributo deste património para fazer crescer o turismo no território concelhio.

Se recordarmos que a Comissão Vitivinícola Regional de Trás-os-Montes (CVRTM) já pediu autorização ao Instituto da Vinha e do Vinho para começar a certificar vinhos vinificados em lagares rupestres, percebe-se que este objetivo do autarca pode tornar-se realidade, face ao interesse turístico dos vinhos, em particular os que se apresentam como ‘históricos’.

O vinho lançado pela CVRTM, cuja experiência voltou a ser repetida na vindima do ano passado, chama-se ‘Calcatorium’ que é, como o próprio nome revela, o tanque de granito onde as uvas eram pisadas. Do lagar, localizado na parte mais alta e mais plana da rocha, o líquido descia depois para a lagareta, no processo conhecido como bica aberta.

O Enoturismo

Como se refere num texto publicado na página de facebook da Associação Portuguesa dos Lagares Rupestres (LARUP):
“Os lagares rupestres existentes em toda a bacia Mediterrânica estão associados à forma mais primitiva de produzir vinho. Muitos deles anteriores à nossa era e cujo uso se prolongou ao longo dos séculos. Na Península Ibérica está identificado um elevado número destes lagares com particular incidência no Concelho de Valpaços.
Reconhecendo-se que estes lagares se localizam, na sua quase totalidade, no interior do país e em afloramentos graníticos, num território envelhecido e cuja desertificação se pretende reverter, a abordagem do enoturismo envolvendo os lagares rupestre, contribuirá para a valorização do território potenciando atividades associadas e, naturalmente, o desenvolvimento da economia local”.