//Vinho de Talha e Casa das Talhas em destaque na BTL
vinho de talha

Vinho de Talha e Casa das Talhas em destaque na BTL

Vinho de Talha posiciona-se cada vez mais com um produto diferenciador no mercado e o início de março ficou marcado pelo boom de eventos e visitas à adega da Vidigueira.

O vinho de talha e a Casa das Talhas, projeto detentor da Adega da Vidigueira, Cuba e Alvito, esteve em destaque na BTL, Bolsa de Turismo de Lisboa, a maior feira de turismo de Portugal.

Em declarações à Ambitur.pt, Ana Coutinho, responsável pelo enoturismo Casa das Talhas, destacou o “grande interesse” que existe pela região e, consequentemente, pelo vinho da talha: “É uma técnica que preservamos há muito tempo e em que temos feito um grande investimento para a preservar: é muito bom para nós ver que há mais procura e aceitação”.

Assente numa “técnica milenar” deixada pelos romanos na região alentejana, o vinho de talha é diferente de todos os outros, pelo facto de se tratar de uma produção muito restrita: “É produzido apenas através de uvas provenientes de vinhas centenárias. Acresce que 100% da produção e fermentação é feita em talhas de barro, tratando-se de uma técnica natural e de um vinho mais sustentável: São dois mil anos de história que temos vindo a preservar”, referiu Ana Coutinho.

 

Produzido desde 2019, ano de inauguração das Casa das Talhas, o vinho tem recebido uma grande aceitação por parte do público: “O facto de se tratar de um vinho que é produzido por vinhas centenárias faz com que só consigamos produzir três a quatro mil litros por colheita”, acrescentou, e realçando a ligação do vinho com o turismo, que se materializa pelo facto do enoturismo ter a mesma designação do vinho (Casa das Talhas), sublinhou: “É uma espécie de centro de valorização e dinamização do vinho de talha e um espaço rodeado com talhas de barro que explica todos os instrumentos e a forma como produzimos o vinho”.

O objetivo é que “todos os turistas que passam pela Vidigueira, mesmo sem conhecer este vinho, saiam de lá com informação sobre o que é e a forma como nós o produzimos e tentamos preservar esta técnica”, explica. Ao nível de operações, a responsável faz um balanço extremamente positivo: “O início de março ficou marcado pelo boom de eventos e visitas à adega”.

A presença na BTL é, assim, uma mais-valia para dar a conhecer os serviços que a Vidigueira tem para oferecer: “Nestes dias de feira, notamos uma procura pelos nossos serviços”, rematou.

Em Portugal, a principal região produtora de vinho de talha é o Alentejo, sendo Vila de Frades considerada a ‘capital’ do vinho de talha.

 

Sobre a Adega Cooperativa de Vidigueira, Cuba e Alvito:

A Adega Cooperativa de Vidigueira, Cuba e Alvito, C.R.L. conta já com mais de meio século de história (1960), sendo o resultado do sonho, do esforço e do trabalho da maioria dos viticultores das regiões de Vidigueira, Cuba e Alvito (atualmente cerca de 300 sócios ativos).

Entre os efetivos vitícolas da Adega contam-se as melhores castas autóctones, mantidas por várias gerações, das quais se distingue a casta Antão Vaz, igualmente conhecida como ‘casta da Vidigueira’, produtora de um branco ímpar e que estará na origem do reconhecido Branco do Alentejo, a casta ‘musa inspiradora’. A Adega, num percurso que se desenrola em atos interligou os seus vinhos numa viagem pela sua região, pela cultura e história, numa descoberta de novos ‘territórios sensoriais’, os seus vinhos.

 

Leia também:

https://jornalsabores.com/vinho-de-talha-quer-selo/

https://jornalsabores.com/vidigueira-centro-interpretativo-vinho-de-talha-2/

https://jornalsabores.com/vinho-de-talha-pode-ser-mina-de-ouro/