//Três propostas de confeção de cabrito

Três propostas de confeção de cabrito

O cabrito como produto alimentar e confecionado: estonado, recheado e no forno.

O cabrito, como fornecedor de proteínas sempre fez parte da alimentação dos povos dos países mediterrânicos, em particular das regiões mais secas do sul que dependiam, para além da carne, do leite e da lã.

Em Portugal são criados essencialmente nas zonas do interior onde sempre desempenharam e nalguns casos ainda desempenham, um importante papel no equilíbrio dos ecossistemas e na fixação das populações das zonas mais desfavorecidas do mundo rural.

Apesar da sua cor vermelha, como a de porco e de vaca, a carne de cabrito apresenta um menor valor energético e um menor teor de lípidos (incluindo ácidos gordos saturados e colesterol) comparativamente às referidas.

É associado a épocas festivas, particularmente a Páscoa, mas a sua cada vez mais fácil aquisição e o crescimento do turismo gastronómico levam a que seja consumido ao longo de todo o ano. O método de confeção mais usado é o assado e neste, recomenda-se particular atenção ao tipo de gordura utilizada, privilegiando-se o azeite, mas também a ter o cuidado de retirar sempre a gordura visível da carne antes da confeção.

Vamos agora apresentar-lhe três propostas de confeção (assado), começando pelo mais ‘diferente’ do habitual: O Cabrito Estonado cuja principal ‘originalidade’ do Cabrito Estonado é que o animal, em vez de esfolado, é escaldado (sim, claro, depois de morto) retirando-se o pêlo por raspagem. Desta forma, o cabrito fica com a pele que permite, durante a assadura, manter a suculência e com ela, melhorar o sabor.

No link abaixo, a propósito de um evento em Oleiros, para além de uma proposta de confeção (receita) fala-se também do Vinho Callum.

https://jornalsabores.com/conhece-cabrito-estonado-vinho-callum-2/

Outra proposta gastronómica pouco conhecida é o Cabrito Recheado, criada pelo empresário de restauração ‘João da Eirada, no concelho da Covilhã, que apresentamos juntamente com o acesso a uma receita de Maria de Lourdes Modesto.

https://jornalsabores.com/beira-baixa-cabrito-recheado/

Finalmente e da mesma zona (Unhais da Serra), o Cabrito no Forno à D. Deolinda, um confeção recolhida no âmbito da ‘Carta Gastronómica Estrela Sul’ editada pela ADERES – Associação de Desenvolvimento Rural Estrela – Sul.

https://jornalsabores.com/cabrito-no-forno-moda-da-d-deolinda/