//Trabalho na vinha promove integração social

Trabalho na vinha promove integração social

Clube de Produtores de Monovarietais do Vinho Verde encabela projeto ‘Germinar’.

Com o objetivo de promover a integração social de jovens e adultos com dificuldade intelectual e de desenvolvimento, nasceu o projeto Germinar que passa pela integração dos utentes, da Delegação de Valença da APPACDM – Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental, no trabalho na vinha de forma a promover o seu desenvolvimento pessoal, profissional e emocional sempre em função das competências ajustadas a cada perfil de integração. Trata-se de um projeto social encabeçado pelo Clube de Produtores de Monovarietais do Vinho Verde, promovido pelo Soalheiro, desafiado por um casal produtor de uvas que integra o Club de Produtores – a exploração vitícola L’Campo.

O motor central do projeto é António Matos, que para além de produtor de uvas é também Técnico Superior de Serviço Social e está a fazer o acompanhamento in loco dos jovens que já iniciaram o trabalho nas vinhas. Para o gestor do projeto “o meio laboral é um grande veículo, catalizador da participação social, onde nos podemos sentir integrados como fazendo parte de algo, co-construtores da sociedade/realidade e de nós mesmos, um lugar onde pode emergir o sentimento de autorrealização”. Salientando, “este projeto, quer fazer germinar este sentimento nas pessoas”.

A expetativa é, em breve, desenvolver um produto que possa autossustentar economicamente esta parceria. Pretende-se uma participação colaborante da sociedade, não numa logica de caridade, mas numa lógica de reconhecimento da qualidade do produto produzido com a participação destas pessoas, que de outra forma não teriam essa possibilidade.

Para a Diretora da APPACDM – Centro de Valença, Helena Pereira, “um vinho que tenha no seu rótulo a génese do trabalho destes jovens, ao ser servido vai despertar consciências para a igualdade de oportunidades e capacidades e, acima de tudo, consciencializar para a contributo laboral válido que podem dar”.

Mas o desafio lançado não fica pelo trabalho na vinha pois os utentes da instituição irão ainda conceber o rótulo e a caixa para o produto final.