//Sopa da Pedra

Sopa da Pedra

Apoiada pela lenda do frade espertalhão, nasceu uma iguaria que enche restaurantes em Almeirim.

Tal como quase todos os costumes e tradições, também a gastronomia regional tem uma lenda associada. No caso de Almeirim, é a Sopa da Pedra.

Conta-se que um frade andava no peditório e quando bateu à porta de um lavrador foi-lhe negada qualquer dádiva. O frade, cheio de fome, disse que apenas precisava de água… para fazer uma sopa com uma pedra. Cheios de curiosidade, o lavrador e a mulher foram acedendo aos pequenos pedidos do frade, desde o tacho de barro para colocar a água e um canto do lume, depois uns ‘temperos’ como um pouco de unto, uma pedrinha de sal, um simples olho de couve, uma cenourita e um pedaço de chouriço, cozinhando assim uma excelente e substancial sopa. Quando o frade acabou de comer, o frade lavou e guardou a pedra perante o espanto dos donos da casa, a quem disse que a pedra era necessária para preparar a próxima refeição. E assim comeu à custa de quem, por curiosidade, aceitou apenas dar-lhe água.
Sem necessidade das artimanhas do frade, atualmente vão-se acrescentando à sopa os mais substanciais ingredientes, o que tem contribuído, ao longo dos tempos, para a fama que este prato já granjeou. Mas a qualidade dos produtos hortícolas e dos enchidos da região são os principais trunfos desta proposta gastronómica apresentada pelos restaurantes, principalmente no concelho de origem, Almeirim.

Ingredientes

1 l de feijão encarnado; 1 orelha de porco; 1 chouriço negro de sangue, da região; 1 chouriço de carne; 150 g de toucinho entremeado; 750 g de batatas; 2 cebolas; 2 dentes de alho; 1 folha de louro; 1 molho de coentros; sal e pimenta.

Preparação

Se o feijão for do ano, não necessita ser demolhado. Se for duro, põe-se de molho durante algumas horas. Escalda-se e raspa-se a orelha de porco, que vai a cozer em bastante água com o feijão, os chouriços, o toucinho, as cebolas, os alhos e o louro. Tempera-se com sal e pimenta. Se for necessário juntar mais água, deve ser sempre a ferver. Quando a carne estiver cozida, retira-se e introduzem-se na panela as batatas cortadas aos quadradinhos e os coentros picados. Deixa-se cozer a batata. Assim que se retirar a panela do lume, introduzem-se as carnes previamente cortadas aos bocadinhos e uma pedra bem lavada, que deve ir na terrina.

Harmonização (sugestão da CVR Tejo)
A Sopa da Pedra pede um vinho tinto jovem da Região Tejo. Escolha um que seja pouco elaborado e sem grande complexidade.

Texto e fotos: Livro ‘Os Sabores de nossa Terra’ – Associação para a Promoção Rural da Charneca Ribatejana.