//‘Simplesmente… Vinho’ no Porto
simplesmente vinho

‘Simplesmente… Vinho’ no Porto

A 10.ª edição do ‘Simplesmente… Vinho’, certame que reúne vinhos, petiscos, arte e música, decorre no jardim da Casa Cor de Rosa da Faculdade de Arquitetura do Porto (FAUP), nos dias 1, 2 e 3 de julho, com a participação de 100+1 ‘vignerons’.

O “Simplesmente… Vinho” é um salão alternativo, que tem vindo a ganhar expressão e registar gradual adesão do público e dos pequenos produtores.

Este tipo de certames constituem uma excelente oportunidade para conhecer vinhos diferentes, ‘fora da caixa’ e trocar impressões com os ‘vignerons’, produtores artesanais, muitas vezes biológico ou biodinâmico, que fazem de tudo: na vinha, na adega, no marketing e comercialização, dando a cara pelos seus vinhos.

Essas mostras, designadas por ‘salão off’, giram em torno de uma ideia comum, que tanto pode ser uma região, um modo de trabalhar (biológico, biodinâmico), um tipo de vinho (espumantes, vinhos doces).

O ‘vigneron’ está presente e dá a cara pelo que faz, partilha a emoção sentida quando o seu vinho é provado. O traço comum é a ligação à terra, às castas locais, a uma enologia competente, mas com raízes na tradição.

Este ano, o evento regista a presença de 91 ‘vignerons’ de Portugal e dez de Espanha, incluindo o convidado especial ‘Resistência Viticulturista’, da península de Morrazo, que apresenta a Tinta Femea atlântica.

O Bilhete diário de ingresso no jardim da Casa Cor de Rosa/FAUP, tem o custo de 20 euros e inclui copo e catálogo oficiais da exposição de Arquitetura e instalação de ‘Entre Mito e Fábula, a Arte no Bosque’. Pela primeira vez, há um bilhete para os três dias, ao preço de 45 euros.

 

Exposições, música e petiscos

Os jardins da Casa Cor de Rosa, com para o rio Douro, acolhem igualmente a exposição ‘Paisagem e Arquitectura: da Vinha e do Vinho’, organizada pela FAUP; a mostra de arte ‘Entre Mito e Fábula; a Arte no Bosque’ com curadoria de Karl Own.

Será possível saborear um petisco, a partir das 16 horas de sexta-feira e de sábado nos espaços ocupados por dois restaurantes: Delicatum (Braga) e Forneria de S. Pedro (Afurada e Póvoa de Varzim).

Este ano, haverá ainda uma novidade, o brunch dominical (entre as 12 e as 14 horas, mediante reserva), confecionado com produtos 100% biológicos. “É uma homenagem aos produtores e produtos frescos de todo o Portugal”, sublinha o organizador João Roseira.

O habitual jantar pop-up está marcado para as 21h30 de sexta-feira (dia 1 de julho) no restaurante ‘Semea by Euskalduna’ e tem assinatura do chef Vasco Coelho Santos.

 

Quem são os ‘Vignerons’?

Se se está a perguntar o que são ‘vingerons’, o termo nasceu na França há séculos atrás e atualmente a sua tradução varia de acordo com as fontes utilizadas, entre as traduções existentes encontramos vinicultor, vitivinicultor ou vinhateiro. A realidade é que nenhum destes nomes define um ‘vigneron’, pois o mesmo poderia ser definido como uma mistura entre o viticultor e o vinicultor.

O vigneron quer distanciar-se da produção em massa e da produção dos mesmos vinhos de acordo com as receitas estabelecidas. O movimento ‘vigneron’ coloca todos os seus esforços e entusiasmo na elaboração de vinhos únicos, com personalidade e de enorme qualidade, sendo o ‘vigneron’ principalmente um artesão que controla todos os processos de produção e vinificação da uva, dando grande ênfase à vinha e à uva.

O crescente e próspero movimento ‘vigneron’ foi definido há pouco mais de uma década pelo italiano Luca Gargano como o movimento triplo ‘A’ (Agricultori Artigiani Artisti), definindo o ‘vigneron’ como um agricultor que é também um artesão e mistura-o com as habilidades de um artista.

Durante muitas gerações, os ‘vignerons’ têm vindo a desenvolver vinhos com tantas expressões quantas as parcelas de terra. O seu objetivo tem sido revelar a personalidade de cada terroir, com base em técnicas tradicionais que cuidam da qualidade e protegem o ambiente.

Enquanto que um enólogo tradicional tem a obrigação de responder à procura pública e crítica, um ‘vigneron’ permite-se uma visão mais interior e, portanto, mais artística do seu trabalho.