//Ribatejo – Caldeirada (3) de Peixe do Rio

Ribatejo – Caldeirada (3) de Peixe do Rio

Uma receita, de peixe de três rios, no concelho de Vila Nova da Barquinha.

A confeção de peixe do rio é normalmente associada à necessidade de incluir ervas aromatizantes. Trata-se, na verdade, de uma prática mais usual no Alentejo, nomeadamente na preparação de sopas e caldetas, mas também caldeiradas, com a hortelã da ribeira, os poejos e os coentros a marcarem presença.

Quem se habituou ao sabor do peixe de mar, encontra nas primeiras incursões pelo peixe de rio, substanciais diferenças. Mas quem sempre viveu em regiões interiores com acesso aos rios, cedo se habituou a ‘trabalhar’ na cozinha com estes ‘condutos’. E também a juntar-lhe o pão que ajuda a dar «substância» à refeição, como é caso abaixo em que o pão é frito, em bom azeite que nesta região é também um indispensável ingrediente.

Falamos do concelho de Vila Nova da Barquinha, caracterizado pela presença de três cursos de água que o enquadram e delimitam – o Nabão, o Zêzere e o Tejo. Não admira, por isso, que a sua economia esteja marcada desde sempre pela sua localização ribeirinha, desde o transporte fluvial até à pesca. Da mesma forma, não é estranho que a sua gastronomia seja dominada pelos rios, encontrando neles os principais ingredientes para a sua cozinha tradicional.
A Caldeirada de Peixe do Rio é um prato típico deste concelho, confecionado com peixes capturados no rio Tejo, nomeadamente a fataça, o barbo, a enguia e a carpa. Com o molho da Caldeirada ainda se faz um segundo prato, regando com ele pedaços de pão duro e fazendo uma sopa.

Caldeirada de Peixe do Rio

Ingredientes
2 kg de vários peixes do rio – fataça, barbo, enguia e carpa; 3 cebolas grandes; 4 tomates grandes; 3 den¬tes de alho; sal e pimenta; 1 ramo de salsa; 2 folhas de louro; 1 pimento; 1 dl de azeite; 1 copo de vinho branco; piripiri.
Preparação
Colocam-se no fundo do tacho os vários peixes já amanhados e cortados. Por cima, uma camada de rodelas de cebola e outra camada de peixe. Cobre-se com rodelas de tomate e, por cima, alho picado, sal e pimenta, alguns pés de salsa e meia folha de louro. Todos os ingredientes formam camadas e, sobre a última camada, coloca-se o pimento cortado em ti-ras. Rega-se com o azeite e o vinho branco e junta-se o piripiri. Leva-se a lume forte para levantar fervura rapidamente. Reduz-se o calor e deixa-se cozer tapado, até o pimento estar macio. Acompanha com fatias de pão duro fritas em azeite ou com batatas cozidas às rodelas.
Sopa de Peixe do Molho da Caldeirada: Miga-se pão de trigo caseiro num alguidar e, de seguida, deita-se o molho que ficou da caldeirada por cima do pão e abafa-se.

Harmonização
Esta caldeirada liga com um vinho branco, jovem, frutado e acídulo. Procure um vinho bem estruturado, feito a partir da emblemática casta Fernão Pires, que domina os brancos da Região Tejo.

In: Sabores da Nossa Terra – Associação para o Desenvolvimento Integrado do Ribatejo Norte (ADIRN)