//Redondo – Feijão Com Poejos e Bacalhau

Redondo – Feijão Com Poejos e Bacalhau

Sopa tipicamente alentejana em que o poejo é ex-libris na cozinha.

Sopa tipicamente alentejana em que o poejo é ex-libris na cozinha, este prato leva feijão manteiga, postas de bacalhau demolhadas, cebolas, uma cabeça de alho, azeite, porque no Alentejo ele é rei na cozinha, louro, sal, o poejo (erva aromática que cresce junto de linhas de água nasce espontaneamente em regiões de solo mais húmido, com um sabor mentolado deixando neste prato um sabor fresco) e pão que deverá ser duro para que as sopas possam tomar o gosto sem ficarem totalmente ensopadas.

Depois de demolhado, coze-se o feijão, não deitando o caldo fora. Faz-se um refogado com as cebolas, os alhos bem picados, as folhas de louro e os poejos devidamente arranjados. Deixa-se apurar bem durante algum tempo. Em seguida, junta-se ao refogado o feijão com o respetivo caldo da cozedura. Introduzem-se as postas de bacalhau e deixam-se cozer bem. Retifica-se o sal.
Depois de pronto, e já com a iguaria vertida numa terrina, acrescenta-se o pão devidamente falquejado em pequenas sopas.

Um pouco de história
Redondo é um concelho à espera de ser redescoberto, de gastronomia variada e autêntica onde as ervas aromáticas como o poejo, o azeite, o pão, os queijos, os enchidos e o mel são o melhor cartão de visita. O ‘Feijão Com Poejos e Bacalhau’ surge como tradição da cultura redondense, este prato é tipicamente degustado durante o inverno por ser nesta altura mais fácil encontrar o poejo fresco.

Conta-se entre a população, que era na quarta-feira de cinzas, encerramento dos festejos do Carnaval e início do tempo Quaresmal, que as famílias iam para o campo em convívio e partilha, junto das linhas de água (refere-se com frequência o local da Ribeira do Calado) e onde deveria abundar a erva aromática do poejo e aí confecionavam o prato, utilizando o ingrediente do bacalhau (sendo o inicio da Quaresma religiosamente já não se deveria comer carne).

 

 

Harmonização
Para este tradicional e muito apreciado prato, propomos a harmonização com um clássico do concelho, sendo um prato com uma rica história e tradição na Vila de Redondo, remete-nos para uma harmonização cuidada. Com os pontos de frescura intensa por ação dos poejos, a estrutura pelo feijão, a delicadeza pelo bacalhau, a harmonização passa então por um Blend de vinho Branco, com as castas Arinto, Antão Vaz e Roupeiro, com estágio em madeira, dando mais estrutura ao vinho. Arinto dá-nos a frescura, Roupeiro aromas frescos de campo, e Antão Vaz assenta-se firme, estruturado, colocando o corpo preciso no vinho para harmonizar com este prato. Qualquer uma destas castas está presente nos vinhos do concelho

‘Memória de Sabores’ – Homenagem
Assinalamos o 20º aniversário da elevação da Gastronomia Portuguesa a ‘bem imaterial do património cultural de Portugal’, com uma homenagem aos Restaurantes do concelho de Redondo, por se encontrarem sempre na linha de apoio e divulgação da gastronomia deste território e da arte de bem servir e divulgar o que de melhor aqui se produz e confeciona.

(Conteúdos produzidos pelo município de Redondo, para ‘Harmonizações, histórias e Memórias’, aquando da comemoração dos ‘20 Anos da Gastronomia Património Cultural’, promovida pela AMPV – Associação de Municípios Portugueses do Vinho)