//‘Recordar’ Filipa Vacondeus

‘Recordar’ Filipa Vacondeus

No dia 6 de janeiro de 2015, morreu Filipa Vacondeus, aos 81 anos.

Foi hospedeira da TAP e proprietária do Cota de Armas, um restaurante de luxo em Alfama que fechou a seguir ao 25 de Abril. Filipa Vacondeus recordou numa entrevista ao jornal i: “Era um restaurante de luxo, conotado com tudo o que era banqueiros, fachos da época, não havia hipóteses de continuar.”

Ao aceitar um convite de Maria Elisa, então diretora de programas da RTP, tornou-se conhecida como figura da televisão e até lhe chamavam a ‘senhora dos restinhos’ por insistir nas receitas de baixo custo e na necessidade de evitar desperdiçar o que sobra das refeições.

Filipa Vacondeus dizia sempre que não gostava que lhe chamassem chefe, considerando-se apenas uma cozinheira autodidata. “Sou, sobretudo, uma dona de casa, ou uma leiga, que a única coisa que fez foi aprender com o tempo”, disse na entrevista a Diana Garrido para o jornal i, em 2010.

Mas o sucesso disparou quando Herman José se inspirou nela para criar a cozinheira que usava “imensa paprika” no programa «O Tal Canal». Ingrediente que, curiosamente, Filipa não usava.

Chegava a todo o país e aos nossos emigrantes através da RTP. Mas terminou a «carreira televisiva» no canal 24 Kitchen onde, a partir de maio de 2014 apresentou o programa “À Boleia de Filipa”, ao lado de Filipa Gomes. Neste programa a veterana e a jovem fizeram uma viagem gastronómica por Lisboa e arredores num food truck e interagiram com o público, convidando-o a provar os petiscos tradicionais portugueses preparados durante o programa.

Marcava presença em palestras, integrava o júri de concursos de gastronomia e deixou muitos livros de culinária, ao primeiro dos quais, lançado em 1994 com o título Cozinhar é Fácil, se seguiram outros como: Receitas Low-Cost; Os Truques da Filipa; As grandes receitas das famílias; O Trivial e Viver mais e melhor. O último livro que Filipa deixou foi Os Petiscos de Filipa, lançado em 2013.
Tinha sempre um sorriso para oferecer e adorava sentir as pessoas, à sua volta felizes mas, internada no Natal de 2014, viria a falecer no dia de Reis de 2015.

Neste novo ano de 2020 assinalam-se cinco anos da morte de dois dos mais populares cozinheiros portugueses. Filipa Vacondeus e Chefe Silva não eram apenas «mediáticos». Eles eram também, pelas suas capacidades sociais, muito queridos dos seus largos milhares de admiradores.

Na foto, Filipa Vacondeus e o Chefe Silva numa homenagem (garrafas personalizadas) da Adega de Palmela.

 

Veja também nesta edição, a receita ‘Bacalhau de Coentrada’ oferecida por Filipa Vacondeus para a Biografia do Chefe Silva.
Aqui:

https://jornalsabores.com/bacalhau-de-coentrada/