//Produtores do «vinho azul» multados em Espanha

Produtores do «vinho azul» multados em Espanha

No país onde há cerca de dois anos o criaram, os produtores do vinho azul foram, dois anos depois, acusados de violarem as regras de mercado.

Foi no País Basco, em Espanha, que um grupo de jovens de uma ‘startup’ criaram uma inovação, com o objetivo de “oferecer algo divertido e inovador às pessoas que procuravam um vinho” comentou um dos jovens empresários.

3.1Mas praticamente dois anos depois de terem colocado o produto no mercado, o Ministério da Agricultura espanhol multou a Gïk, empresa fundada pelos jovens, por violar os regulamentos que não aprovam o corante indigo e a antocianina, um pigmento presente na pele da uva usados no vinho azul, designação que deixam agora de usar nos rótulos, para além de serem forçados a alterar ligeiramente a composição da bebida.

Inicialmente pensou-se que a decisão do ministério espanhol teria sido «forçada» pela Federação do Vinho de Espanha, responsável por três quartos da produção vinícola da região, mas José Luis Benítez, diretor deste organismo que agrupa produtores, já veio declarar que a denúncia terá partido de um anónimo.

Benítez considerou mesmo tratar-se de uma iniciativa “louvável por parte da empresa mas as regras têm de ser respeitadas, e elas são para todos. O setor vitivinícola tem de promover a inovação para atrair novos e jovens consumidores, mas só a regulamentação europeia consegue proteger, tanto os produtores como os consumidores, da fraude e dos riscos para a saúde”, declarou.

Suspenso no Brasil

Como o Jornal dos sabores noticiou no mês passado: “Mal chegou ao Brasil para ser comercializado o vinho azul, em alta na Europa, já teve sua comercialização suspensa. A decisão partiu do MAPA – Ministério da Agricultura, Pesca e Abastecimento – que considerou que tanto o vinho como o espumante azul não podem ser importados para o Brasil por conterem corantes artificiais denominados Azul Indigotina E-132, conhecido por Indigo Blue e Azul Brilhante E133”, escreve a jornalista brasileira Etiene Carvalho no seu ‘Blog vinho tinto’.

«Vinho azul» português

Em agosto de 2016 a Revista de Vinhos informava: “Já está no mercado o primeiro ‘vinho’ azul nacional. Chama-se Casal Mendes Blue e foi certificado pelo Instituto do Vinho e da Vinha (IVV) como “bebida aromatizada à base de vinho”. Ou seja, não é considerado ‘vinho’ pelo IVV.

Polémicas à parte, o Casal Mendes Blue tem por base o Casal Mendes branco, produzido pela Bacalhôa Vinhos, a que foi adicionado um corante, que o produtor afirma ser de origens naturais.