//Portugal: país europeu com melhores práticas alimentares
portugal

Portugal: país europeu com melhores práticas alimentares

Se somos o que comemos, talvez seja importante refletir: comemos mal ou bem?

Sabemos que hoje em dia, com a globalização e aparecimento e consequente hegemonia dos produtos altamente processados e do fast-food, até alguns dos países que no passado eram caracterizados por uma dieta mediterrânica, estão a afastar-se dela.

Contudo, parece haver boas notícias para o nosso pais. Segundo a ‘Nourishing Framework’, uma ferramenta de avaliação de políticas para promover a alimentação saudável e reduzir a obesidade do ‘World Cancer Research Fund International’, Portugal é o único de 17 países europeus a ter uma abordagem totalmente abrangente na implementação de diretivas de nutrição.

O reconhecimento teve lugar no Simpósio Europeu de Políticas na área da Prevenção das Doenças Crónicas, que decorreu entre os dias 14 e 16 de junho, em Bruxelas. A limitação de produtos pouco saudáveis em máquinas de venda automática foi um dos motivos que levou à atribuição da distinção.

Segundo uma nota da Direção-Geral da Saúde (DGS), “no segundo dia do evento foi apresentado um estudo que analisou 17 países europeus e destacou Portugal em três grandes áreas de atuação: ambiente alimentar, comunicação para a mudança de hábitos e sistema alimentar. Os resultados apresentados identificam um claro progresso do país no que diz respeito a políticas de nutrição”.

De acordo com o Healthy Food Environment Policy Index (Food-EPI), Portugal destaca-se também pela positiva, a par da Noruega e da Finlândia, num conjunto de 11 países europeus (Estónia, Finlândia, Alemanha, Irlanda, Itália, Holanda, Noruega, Polónia, Portugal, Eslovénia e Espanha). O Food-EPI é uma ferramenta desenvolvida para avaliar o grau de implementação de políticas públicas com impacto no ambiente alimentar e para identificar e priorizar as ações necessárias à criação de ambientes alimentares saudáveis.

“Os resultados apresentados identificam um claro progresso de Portugal no que diz respeito a políticas de nutrição”, descreve a nota da DGS.