//Portalegre – Ensopado de Borrego
ensopado de borrego

Portalegre – Ensopado de Borrego

O ensopado de borrego é um prato tradicional de Portalegre. É feito com carne de borrego e servido sobre fatias de pão duro ou frito, acompanhado de batata cozida.

O ensopado no caldo da carne tem um papel preponderante na receita. Os ingredientes utilizados são: Borrego do Norte Alentejano IGP, cebola, alho tomate, salsa, folha de louro, pimenta, sal grosso, pimentão – doce do Carvalhal, azeite da COOPOR, vinho branco, vinagre, pão e batata.

ensopado de borrego

 Um Pouco de História

A memória da criação de ovinos da raça Merino Branco (Borrego do Norte Alentejano IGP) no distrito de Portalegre perde-se nos tempos. Os dados históricos disponíveis permitem a vários investigadores assegurar ser essa criação anterior à formação da nacionalidade. Ao longo dos séculos esta raça tem vindo a ser criada de forma tradicional, extensiva, em harmonia com os montados, pastagens e culturas cerealíferas da região – prática que subsiste, praticamente inalterada, até aos nossos dias.

Esta ligação histórica está bem patente no papel central que o borrego desempenha na gastronomia da região. O ensopado de borrego é disso um bom exemplo. Este prato é tradicionalmente associado à Páscoa e ao Equinócio da Primavera e terá tido origem na primitiva açorda árabe, tharid.  Degustado sobretudo na época pascal, mas também em festas e casamentos.

De noite, o Domingos Marchão esteve à cunha. E tudo aquilo acabou numa enorme bebedeira. De tarde, ali na Boavista, havia duas barracas de “soquemboque”, e enquanto os palermas vinham de deitar o papel na urna, que estava na sociedade de Vintém, iam comer o borrego com batatas, que dava o senhor A. da F! A mim não me deram nada, porque eu não estava nos cadernos, como eles diziam…”

In Memórias, as do Oco” de Castelo Júnior, 1990

Harmonização

Para este prato tradicional de Portalegre propomos a harmonização com o vinho Casa da Urra D.O.C. Reserva Tinto, 2016. Vinho de cor granada com aroma intenso e complexo. Seleção manual das melhores uvas das castas das vinhas velhas de Alicante Bouschet, Syrah e “Field Blend”. Em termos de vinificação a vindima é manual, com desengace total e fermentação em lagar com temperatura controlada. O estágio é feito durante 18 meses em barricas de carvalho francês.

Notas de Prova e Harmonização

Notas de fruto preto, maduro, algumas notas balsâmicas da barrica. Paladar encorpado, com taninos suaves e final longo e persistente. Ideal para acompanhar carnes, como o ensopado de borrego, ou certos pratos de bacalhau. Sugere-se que seja servido a 18º C no inverno e um pouco menos no verão.

Nota de agradecimento: Para a concretização deste trabalho a Câmara Municipal de Portalegre agradece a colaboração do Enólogo José Luís Marmelo, do Restaurante “O Álvaro” na Urra e da Adega Casa da Urra.

‘Memória de SaboRes’ – Homenagem

Assinalamos o 21º aniversário da elevação da Gastronomia Portuguesa a Bem imaterial do Património Cultural de Portugal” com as seguintes propostas:

1 – Prestando homenagem a Hermínia Fernanda Castelo Velês e a Domingos da Guerra Conde, mais conhecido por Marchão, antigos proprietários da mais famosa Tasca de Petiscos de Portalegre, a Tasca do Marchão.

 “… Na lista das coisas a mostrar a amigos que venham de fora coloco o “Marchão” ao lado dos outros “monumentos” e “coisas a mostrar”. E a verdade é que essas pessoas têm apreciado bastante a visita (e não só) a essa casa típica. (…)

 In “Revista A Cidade”; Miguel Salgado (texto); José Manuel Afonso (fotos)

 “Rituais do Santuário”: Empadas, Batatas Fritas, Joaquinzinhos, Túbaros, Pinga do Paiva e outras delícias celestiais.

In “Jornal Fonte Nova”; N.º 283;14 de Junho de 1990

2 – Tour das Tascas de Portalegre para descarregar na aplicação Izi Travel.

3 – Quinzena Gastronómica “Petiscos com cebola” a realizar no âmbito da Feira das Cebolas.

 

(Conteúdos produzidos pelo município de Portalegre, para ‘Harmonizações, histórias e Memórias’, aquando da comemoração dos ‘21 Anos da Gastronomia Património Cultural’, promovida pela AMPV – Associação de Municípios Portugueses do Vinho)