//Pera Rocha do Oeste

Pera Rocha do Oeste

Em 1836 Pedro António Rocha identificou, numa sua propriedade em Sintra, uma pereira diferente.

De acordo com a tradição, foi em 1836 que Pedro António Rocha identificou, numa sua propriedade em Sintra, uma pereira diferente, cujos frutos eram de uma qualidade invulgar e aos quais deu a designação de Pera Rocha, a partir do seu próprio nome. Como a região Oeste se mostrou particularmente apta para o seu cultivo, foi-lhe atribuída a Denominação de Origem Protegida (DOP), delimitando uma área geo¬gráfica com um saber-fazer reconhecido, na qual se concentra a produção desta variedade de pera. Aqui, destaca-se o concelho do Cadaval, com uma área de cultivo de 2073 hectares, e o do Bombarral, com uma área plantada de 1934 hectares. Pertence a esta região a responsabilidade de exportação de mais de 50000 toneladas de Pera Rocha para toda a Europa, Canadá e Brasil. É colhida normalmente em Agosto.

Nas definições oficiais, a Pera Rocha do Oeste é apresentada como um fruto de “polpa de cor branca, macia, fundente, granulosa, doce, não ácida, muito sucosa, de perfume ligeiramente acentuado e com a epiderme amarelo-clara, por vezes com uma mancha tenuemente rosada do lado do sol”.
Quando está mais verde, a Pera Rocha é crocante. Quando está mais madura, adquire um tom amarela¬do, tornando-se mais doce, macia e sumarenta.
Para além de consumida e muito apreciada como qualquer outra peça de fruta, a Pera Rocha do Oeste também pode ser usada em saladas, pudins, compo¬tas, iogurtes ou mesmo servir de acompanhamento a diversos pratos salgados, nomeadamente de caça. No campo das sobremesas, as mais conhecidas são as chamadas «peras bêbedas», cozidas em calda açucarada, feita com os mais diversos tipos de vinho, que pode ser tinto, branco, ou com generosos como Porto, Moscatel…

Para conservação, deve ser guardada no frigorífico, na prateleira inferior, dentro da gaveta para frutas e vegetais. Se o período de conservação for superior a dez dias, não se deve misturar com outros frutos, tais como bananas ou kiwis, porque acelera a maturação das outras frutas.

Texto e fotos: Livro ‘ Os Sabores da Nossa Terra’: Leaderoeste – Associação para o Desenvolvimento e Promoção Rural do Oeste.

Peras Rocha (bêbedas) em Moscatel

Para 6 peras, já um pouco maduras, use 5 a 6 decilitros de vinho moscatel e 180 a 200 gr de açúcar. Um pau de canela, uma casquinha de limão e uma estrela de anis.

Preparação
Descasque as peras, deixando o pé e coloque-as numa panela. Junte o vinho moscatel, o açúcar, o pau de canela, a estrela de anis e a casquinha de limão.
Leve a lume brando com a panela tapada, até ficarem macias. Retire-as e coloque-as num prato, deixando a calda ferver até reduzir um pouco.
Regue as peras com a calda e leve ao frio.