//“Pastel de Molho é um produto único no país”
certificacao do pastel de molho

“Pastel de Molho é um produto único no país”

Com sede na Covilhã, a Confraria que defende a Pastinaca, mas também o Pastel de Molho, decidiu dar um ‘empurrão’ para valorização e promoção deste último, lançando um processo próprio de certificação.

Para fazer um ponto de situação desta iniciativa, falámos com Paulo Carvalho, presidente da direção da Confraria da Pastinaca e do Pastel de Molho da Covilhã, que revelou entusiasmo e confiança nesta iniciativa de valorização deste “produto único no país”. 

Porquê esta certificação? 

Nós somos a Confraria da Pastinaca e do Pastel de Molho, representando portanto dois produtos distintos, e o Pastel de Molho era o parente pobre da confraria, ou seja, a confraria estava mais concentrada em divulgar a Cherovia, com o Pastel de Molho digamos, um pouco esquecido. Decidimos, portanto, que teríamos de apostar mais neste produto.

Enquanto a cherovia pode ser bastante trabalhada em termos gastronómicos, pode até inovar-se embora sempre tendo por base a tradição, com o pastel de molho não, e talvez por isso tivesse caído um bocadinho no esquecimento. Daí a necessidade de puxar, valorizar, mostrar que existe o pastel de molho, que é um produto único no país, mesmo típico e só da Covilhã e portanto, depois de garantirmos a adesão dos empresários, que é para eles que esta certificação existe, decidimos avançar.

pastel de molho da covilha

E porquê duas certificações distintas?

Há que considerar o pastel de molho propriamente dito e o molho. Na Covilhã há muitas unidades de restauração, que só vendem o pastel de molho, nomeadamente padarias e confeitarias onde o cliente compra o pastel de molho, e depois vai consumi-lo em casa. O pastel de molho já está cozido, mas depois a introdução do molho, se o consumidor assim o desejar, é feita em casa.

Mas há também o cliente que consome no próprio restaurante o pastel e o molho. Por isso concluímos que teríamos que certificar por um lado os fabricantes e por outro, os restaurantes que vão servir o pastel de molho. Para além de avaliarmos o molho, também iremos avaliar e certificar o procedimento de servir o pastel, como por exemplo o facto de o pastel ter de estar tapado com um prato por cima, durante uns minutos para desfolhar, e só posteriormente é que poderá ser degustado ou comido. Portanto eis a diferença. 

No caso dos restaurantes temos que ter em conta duas situações: ou é o próprio restaurante que faz o pastel, portanto é produtor também e aí nós certificamos tudo, ou se não é produtor, se o restaurante adquire o pastel a um produtor diferente, esse produtor tem de estar certificado, para que nós possamos também certificar o restaurante.  

pastel de molho

Como estão a correr o processo de certificação e as avaliações?

Este é um projeto que surgiu muito recentemente. Temos para já duas equipas constituídas por três elementos da confraria e dois da associação empresarial da Covilhã, Belmonte e Penamacor. Uma equipa vai certificar o produtor e outra vai às unidades de restauração onde é necessário estar em conjunto para avaliar e fazer as tais visitas mistério. Penso que a partir de setembro, depois das férias, as coisas irão avançar mais rapidamente até porque esperamos que aumentem os pedidos.

Faz todo o sentido que haja promoção e divulgação deste pastel de molho que não existe mais lado nenhum no país e, por exemplo, no Fundão aqui bem perto, poucas pessoas sabem o que é o pastel de molho. Esta divulgação inicia o processo, para que depois passemos à criação da marca Pastel de Molho que é o nosso próximo objetivo.

Para quando está prevista a criação da marca?

O que está previsto é começarmos a trabalhar na criação da marca depois de outubro, porque em setembro vamos ter um novo capítulo através do qual vão entrar novos sócios para a confraria e essa é uma atividade que nos ocupa bastante. Ma a partir de outubro poderemos iniciar esse processo, por isso eu penso que ainda durante este ano ou nos início do próximo ano civil poderá avançar-se nesse sentido.

Que mais-valias sentem que virão desta certificação?

Várias e é esse o nosso propósito enquanto criadores deste selo de certificação. A primeira é o reconhecimento público deste produto nomeadamente nas unidades de restauração, que queremos ajudar a que ofereçam uma garantia de qualidade gastronómica ao consumidor e isso tenho a certeza que para os empresários será uma mais-valia. A Covilhã é uma cidade cada vez mais turística, integrada na Serra da Estrela, que precisa de oferecer ao turista um produto diferente e que tenha a nossa identidade. Mas isto não é só para os turistas, mas também para os locais, para o próprio covilhanense que tem interesse em adquiri um produto certificado pela confraria e que lhe garanta a qualidade a que tem direito. Por outro lado, queremos contribuir para ajudar os produtores e as unidades de restauração a aumentar as suas vendas e a conseguir aumentar a faturação com vista à recuperação dos tempos difíceis que temos vindo a viver.

O consumidor valoriza este tipo de certificações?

Eu ainda não consigo ter muito esta noção quanto a esta certificação porque ainda é uma coisa muito recente, temos algum feedback de quando fizemos a divulgação nas redes sociais, e houve alguma aceitação e adesão nas redes socias da confraria e até manifestações de felicidade por parte de algumas pessoas pelo facto de a confraria estar a trabalhar neste sentido.

Penso que há ainda um caminho a percorrer para implementar tudo o que está planeado e só depois das primeiras certificações fará sentido iniciar a divulgação e promoção. Espero ter uma resposta mais conclusiva a essa pergunta lá para o fim de 2021, início de 2022.

Breve Nota – O Pastel de Molho da Covilhã, de massa folhada com recheio de carne refogada era, há uma centena de anos, o almoço dos operários da indústria têxtil daquela cidade. Comido como uma sopa e com boa capacidade de conservação, depois de colocado no prato recebia por cima o molho quente de açafrão. 

A Confraria da Pastinaca (Cherovia) e do Pastel de Molho da Covilhã tem página no Facebook.

Marta Brescianini