//No andor da procissão… um pipo

No andor da procissão… um pipo

Uma procissão dedicada àquela a que chamam ‘padroeira dos bêbados’, leva o povo atrás do andor com um pipo de vinho.

Tudo aconteceu no passado fim de semana, entre 30 de novembro e 2 de dezembro em Paul, no concelho da Covilhã, onde a palavra de ordem é: “Quer chova, quer neve/quem tem sede, bebe”.

Nesta localidade do concelho da Covilhã, conhecida como a ‘Capital da Jeropiga’, realizou-se a 14ª edição destas festas de ‘Santa Bebiana’, cuja origem e recuperação é explicada desta forma na página do evento, no facebook:

“Face à escassez de registos quase inexistentes sobre este evento e a avaliar pelo que dizem os mais idosos, os pastores andavam com o gado nos vales do Paul e arredores, colocavam os chocalhos na cintura e, com os ganhões, festejavam junto às pipas de vinho. Após a ronda por todos os pipos, faziam uma grande ceia, onde o mais atrevido pregava o sermão para os ‘irmãos’ e rezava-se o Pai Nosso dos Bêbados”.

E foi com a cedência de registos escritos, “por parte da esposa do pastor/pregador de Santa Bebiana, durante muitos e muitos anos o responsável pela realização deste costume que acabou por perder-se após a sua morte”, que a Casa do Povo de Paul conseguiu recuperar esta iniciativa em 2004, promovendo desde então uma verdadeira ’romaria’ de forasteiros a estas terras beirãs.

A começar as festividades assiste-se à chegada da ‘santa’ que vai ser o centro das atenções na procissão profana, seguida de sermão bebiano que, com irreverência, satiriza a vida comunitária. A ‘santa’, evidentemente que não é uma ‘santa’ mas pelo teor dos festejos, bem se pode dizer que está presente… o deus Baco.

Se recuarmos musicalmente uns anos, encontramos no álbum ‘84’ dos Trovante o tema ‘Procissão de Santa Bebiana’, com quadras populares como esta:

Hei-de morrer numa adega/ Um tonel ser meu caixão

Hei-de levar de mortalha/ Um copo cheio na mão

Dois e dois são quatro – bela carne tem o pato

Três e dois são cinco – vai do branco se não há tinto