//Mês da Enguia
mês da enguia

Mês da Enguia

De 1 de março a 3 de abril no concelho de Salvaterra de Magos.

Quinze restaurantes deste concelho voltam a mostrar as suas opções na confeção da enguia nas suas diferentes formas, das propostas mais tradicionais – enguias fritas, de ensopado ou caldeirada – às mais inovadores – como torricado ou à lagareiro, espetada, molhata ou cataplana de enguias.

mês da enguia

O Presidente da Câmara Municipal sublinha que “o Mês da Enguia é um evento que congrega muita gente e muito trabalho, é um projeto que une o concelho e que dá uma merecida visibilidade a este território aprazível e com um património histórico-cultural e natural de excelência, que nos orgulha e torna únicos”.

Hélder Manuel Esménio reforça que “ao Município de Salvaterra de Magos cabe promover e divulgar o território, as suas gentes, tradições, costumes e património. Cabe-nos criar produto turístico como temos feito com a Falcoaria, com o Escaroupim, o seu Museu e Casa Tradicional, o Rio Tejo e os miradouros naturais sobre o mesmo e mais recentemente com a classificação dos ‘Bordados da Glória do Ribatejo’ como Património Cultural Imaterial Nacional”.

O certame, organizado pelo município de Salvaterra de Magos, conta também com um conjunto de quatro exposições, espetáculos musicais e iniciativas das associações, assim como com a participação de uma dezena de unidades de alojamento, quatro produtores de vinhos e de licores e dois operadores de passeios turísticos no Rio Tejo.

mês da enguia salvaterra de magos

 

Toda a programação e informação relativa a esta edição do Mês da Enguia pode ser obtida no site do evento em www.mesdaenguia.pt

 

Sabores de Salvaterra de Magos

Aos sabores do Tejo, este concelho soma com mestria um prato típico da lavoura da lezíria, o Torricado com Bacalhau, tradicionalmente confecionado por camponeses e campinos como sustento na sua dura atividade nos campos ribatejanos. O pão torrado, regado com azeite e alho, acompanha com bacalhau assado lascado, num prato apreciado em Salvaterra de Magos.

Da charneca ribatejana destaca-se a típica gastronomia de Glória do Ribatejo, com a tradicional Furjoca, confecionada por ocasião da matança do porco, assim como a sua doçaria tradicional muito ligada aos casamentos, como são as esturrecas, os bolinhos de manteiga, de erva doce e do papelinho, sempre bem adornados pelos tradicionais bordados a ponto cruz de Glória do Ribatejo, patentes no lindíssimo traje da mulher gloriana e nos esplendorosos panos que tradicionalmente embelezam os recipientes da doçaria.

À descoberta dos sabores, há que provar também os vinhos, a ginja e licores, o arroz e o tomate de excelência que por ali se produz e a doçaria com as queijadas típicas, os biscoitos, o arroz doce, os pudins, broas, tortas e bolos.