//“Marca ‘Capital do Porco Alentejano’ é um desafio permanente”
Feira do Porco Alentejano

“Marca ‘Capital do Porco Alentejano’ é um desafio permanente”

O regresso a Ourique da ‘Feira do Porco Alentejano’, a decorrer a 25, 26 e 27 de março foi o mote para uma breve mas muito interessante entrevista a Marcelo Guerreiro.

O presidente deste município do Baixo Alentejo afirma que este evento é “a expressão maior da fileira do porco alentejano”, que há novidades nesta edição, que o município convidado é Pinhel-Cidade do Vinho 2020/22 e que brevemente Ourique estará entre os municípios com produção vitivinícola, entre outros assuntos.

Embora com outra designação, este evento começou em 2007 e teve um interregno devido à pandemia.

Esta é uma história de visão, de resistência e de vontade em transformar uma fileira rural à beira do declínio numa marca positiva de afirmação de uma identidade, num pilar da economia local e num evento que dá expressão anual única ao trabalho diário dos homens e mulheres que criam o porco de raça alentejana. Visão do Presidente Pedro do Carmo em querer valorizar esta fileira, em fazê-lo de forma articulada com a ACPA (Associação de Criadores do Porco Alentejano) e com a mobilização de muitas vontades na criação e na transformação. Este foi um caminho com muitas pedras e obstáculos, até com queixas em tribunal, mas, em conjunto conseguimos. Ourique é a Capital do Porco Alentejano. A Feira é uma das grandes expressões do nosso Mundo Rural.

presunto do alentejo DOP porco alentejano

 O que representa para a autarquia este regresso?

É um momento esperado por todos. Este é um projeto de muitos. A Feira é a expressão maior da fileira do porco alentejano. É um momento de trabalho com especialistas do setor que discutirão os impactos da seca no montado e nas atividades, de festa e de encontro de amigos, famílias, Ouriquenses que vivem fora do concelho e de muitos portugueses. É há muito uma festa local, regional e nacional, com a participação de delegações internacionais, como acontece neste ano com a Croácia.

porco alentejano

Houve muitas inscrições este ano por parte de empresas e comerciantes?

A expetativa era enorme e foi confirmada. Estamos nos limites do espaço disponível para o evento, com a participação máxima de empresas e de comerciantes que são um sinal importante de êxito para a diversidade de oferta da Feira, nos produtos, nas diversões para os mais pequenos e na gastronomia com os nossos produtos de excelência, os de Ourique e os da região. Temos presente o melhor do nosso mundo Rural, com o foco no porco alentejano.

 

Esta edição de retoma traz algumas novidades?

Sim, temos um debate sobre os impactos da seca e das alterações climáticas na agropecuária extensiva, o primeiro concurso de linguiças caseiras da Feira do Porco Alentejano, a apresentação do Gin Black Pig, a presença do Município convidado de Pinhel com os seus vinhos, a presença de uma delegação internacional da Croácia e muita animação musical, boa comida e muitas e boas razões para virem a Ourique, na Feira e durante ao longo do ano.

 

Ourique não tem no seu território produção de vinho, mas aderiu recentemente à Associação Municípios Portugueses do Vinho.

Sim, ainda não tem, mas há quem esteja a trabalhar nisso e o trabalho em rede em defesa do Mundo Rural é absolutamente decisivo para posicionar os territórios e gerar soluções para as pessoas que cá vivem, estudam e trabalham. Há um caminho de afirmação do nosso potencial produtivo que estamos a fazer, com projetos na produção, no acolhimento das empresas e na oferta turística. Os resultados em Meio Rural dão sempre o dobro do trabalho, mas somos gente resiliente, habituada a lutar e a conseguir resultados. É essa a nossa história, a nossa inspiração para um futuro ainda melhor.

 

 

Na sequência desta adesão à AMPV, em finais de fevereiro Ourique Capital do Porco Alentejano esteve em Pinhel que é atualmente Capital do Vinho. Agora este município da Beira Interior retribui a visita.

A Feira do Porco Alentejano tem uma tradição de ter um município convidado todos os anos. Já tivemos Melgaço e Almeirim, este ano é Pinhel, com muito gosto. Pinhel é Cidade do Vinho 2020-2022, retomou há pouco a sua Feira das Tradições. É bom tê-los em Ourique, a comemorar o relançamento das dinâmicas das comunidades. A afirmação da ruralidade, de territórios diferentes da urbanidade do litoral é um desígnio. Somos uma oportunidade, não um fardo para o país.

 

 

Estão previstas ao longo deste ano outras presenças de Ourique Capital do Porco Alentejano em certames nacionais?

A nossa marca Capital do Porco Alentejano é um desafio permanente de afirmação do território e do trabalho dos criadores de porcos da raça alentejana, a par de outros produtos. Pelo menos, estaremos presentes na Ovibeja que é também uma importante expressão nacional da ruralidade, de quem produz, de quem cria, de quem gera condições para que o país resista às dificuldades como as que vivemos na pandemia e agora nos impactos da guerra na Ucrânia. Afirmar Ourique, nunca deixa de estar presente na nossa ação e nas iniciativas.

 

O que representa atualmente a fileira do porco alentejano para o concelho de Ourique?

É um pilar central da nossa economia, da nossa identidade e da afirmação do território. Não é o único e terá muitos reforços de projeção da ruralidade e da nossa capacidade produtiva, mas representa a expressão de uma estratégia bem-sucedida. Este é um tempo exigente, por ação dos Homens e pelas alterações climáticas, estaremos sempre ao lado dos protagonistas maiores desta fileira e do Mundo Rural.

Nas dificuldades como nas festas, em todos os momentos. Só esta proximidade e esta sintonia permite mobilizar vontades e superar obstáculos. Por Ourique, Capital do Porco Alentejano e pelos Ouriquenses.

 

porco alentejano

 

Para saber mais e conhecer a programação da Feira do Porco Alentejano:

http://www.cm-ourique.pt/pt/menu/696/feira-do-porco-alentejano.aspx

https://www.facebook.com/municipiodeourique

 

Imagem porco alentejano: https://tradicional.dgadr.gov.pt/pt/