//Lagosta suada à Moda de Peniche

Lagosta suada à Moda de Peniche

Na técnica utilizada, o termo ‘suada’, remete para um processo de cozedura em lume brando

A lagosta pertence à classe dos crustáceos, munida de fortes antenas, mas sem pinças. Pode atingir o comprimento de cinquenta centímetros e o seu habitat são os fundos rochosos de todos os mares. É caraterizada pela forma subcilíndrica do corpo, pelas patas anteriores curtas e pelas antenas mais compridas que o corpo, grossas, rígidas e espinhosas. O corpo, diferenciado em cefalotórax e abdómen, é de cor vermelho-acastanhada. É uma das muitas variedades de marisco que se pesca em toda a costa portuguesa, mas a de Peniche é reconhecida pela sua qualidade e pela riqueza do seu sabor e da sua textura. Por isso, esta receita tem esta designação. Quanto à técnica utilizada, o termo “suada” remete para um processo de cozedura em lume brando, num recipiente bem fechado, sem recurso a água.

Ingredientes
1 lagosta viva; 50 g de manteiga; 3 cebolas; 1 kg de tomate; 2 dentes de alho; 1,5 dl de azeite; 2 dl de vinho branco; 0,5 dl de aguardente velha; 2 cálices de vinho do Porto seco; 2 malaguetas de piri-piri; salsa; 1 folha de louro; colorau, sal e pimenta q.b.

 

Preparação
Lava-se bem a lagosta e corta-se em crua, viva, pelos anéis, sobre um recipiente para aproveitar todo o líquido que escorrer. Retira-se a tripa de cada bocado, separam-se as patas e corta-se ao meio, longitudinalmente, a cabeça da lagosta, retira-se o saco cinzento, aproveitando todo o restante recheio e o líquido que ficar na tábua. Deitam-se num tacho de barro todos os bocados da lagosta, em camadas sucessivas, alternando com a manteiga, as cebolas às rodelas, os alhos esmagados, o louro, e os tomates pelados. Rega-se tudo com o azeite, o líquido que escorreu, o vinho branco e a aguardente e tempera-se com a salsa picada, as malaguetas, o sal, a pimenta e o colorau. Leva-se o tacho bem tapado a lume forte, sacudindo-o para misturar todos os ingredientes. Baixa-se o lume quando levantar fervura e deixa-se ferver lentamente para a lagosta suar, agitando o tacho várias vezes. Passados 45 minutos a uma hora, adiciona-se o vinho do Porto. Retifica-se o sal e tapa-se de novo, deixando cozinhar durante mais 15 minutos. Serve-se imediatamente, acompanhada com arroz branco solto.

Harmonização
Para este prato sugerimos um vinho branco à base de Arinto, como o DOC Bucelas,.
IN: Os Sabores da Nossa Terra – LEADER OESTE – Associação para o desenvolvimento e Promoção Rural do Oeste