//Guerra de rótulo ‘Borba’

Guerra de rótulo ‘Borba’

Já chegou ao Tribunal Europeu a contestação de produtores alentejanos a uma marca da Adega Cooperativa de Borba.

A contestação de João Portugal Ramos juntamente com um grupo de produtores vitinícolas do Alentejo passou por vários recursos e já chegou ao Tribunal Europeu, no Luxemburgo.

De acordo com o Expresso o Tribunal de Justiça da União Europeia recomendou o não registo da marca adega.borba.pt, que estava centro de um conflito. A decisão jurídica considera que o registo da marca ‘adega.borba.pt’ deve ser recusado porque designa produtos vinícolas e inclui um nome geográfico com um termo (adega) utilizado para designar as instalações onde se faz esse produto (vinho). Acrescenta ainda que “serviria para descrever muitos outros produtores com adegas em Borba”, que é a segunda maior sub-região do Alentejo”

Em causa poderá esta a estratégia da Adega Cooperativa de Borba de aparecer no mercado sem a referência a cooperativa, destacando a informação geográfica. Sobre este assunto, João Matos Barroso, presidente da Adega Cooperativa de Borba comentou ao Expresso que “foi uma opção natural que corresponde ao que o próprio consumidor já dizia”.

Os ‘queixosos’ alegam que esta e outras marcas que usam os mesmos ‘argumentos’ dificultam a quem a quem compra o vinho, a diferenciação do produtor concreto de outros produtores que também têm adegas em Borba e produzem e comercializam vinhos de Borba.