//«Galo de Barcelos» para comer

«Galo de Barcelos» para comer

O famoso «Galo de Barcelos», para além da versão artesanal de cerâmica, também tem sucesso no prato.

Trata-se do Fim de Semana do Galo assado, integrado na iniciativa «Sabores com Tradição» que decorre em Barcelos de 10 a 19 de março e conta com a participação de 37 restaurantes.

Esta semana, que integra os Fins de Semana Gastronómicos promovidos pela Entidade de Turismo do Porto e Norte, inicia-se com o Fim de Semana do Galo, a 11 a 12 de março e termina com o Fim de Semana das Papas de Sarrabulho e Rojões à moda de Barcelos nos dias 17 a 19 de março. Esta é a segunda atividade do Programa promocional do Município de Barcelos “7 prazeres da gastronomia” que prima pela divulgação das qualidades gastronómicas da Região de Barcelos.

O Galo assado à moda de Barcelos é temperado no dia anterior com cebola, azeite e vinho verde e posteriormente recheado com uma pasta feita com os miúdos, chouriço e bacon, tudo picado. Vai ao forno numa assadeira de barro com rodelas de cebola, azeite e tomate, já recheado e acompanhado pelas batatas, como acompanhamento.

Programa de Animação

No dia 11 de março, às 14h00, realiza-se a Rota do Vinho e da Vinha com visita às Caves Campelo e Quinta dos Paços, que visa potenciar o enoturismo no território e dar continuidade à política de promoção do vinho de Barcelos indexada aos eventos gastronómico locais (inscrições limitadas e obrigatórias para turismo@cm-barcelos.pt). No dia 16 de março, às 14h00, na Avenida da Liberdade tem lugar o “II Concurso de Cocktails” de Barcelos; no dia 18 de março realiza-se um workshop gastronómico dedicado às Papas de Sarrabulho e no dia 19 de março tem lugar na Avenida da Liberdade,a partir das 14h30, a “Música na Avenida” .

Lenda do Galo de Barcelos

Segundo a lenda, os habitantes do burgo andavam alarmados com um crime e, mais ainda, com o facto de não se ter descoberto o criminoso que o cometera. Certo dia, apareceu um galego que se tornou suspeito. As autoridades resolveram prendê-lo e, apesar dos seus juramentos de inocência, ninguém acreditou. nele. Ninguém acreditava que o galego se dirigisse a S. Tiago de Compostela, em cumprimento de uma promessa, sem que fosse fervoroso devoto do santo que, em Compostela, se venerava, nem de S. Paulo e de Nossa Senhora. Por isso, foi condenado à forca. Antes de ser enforcado, pediu que o levassem à presença do juiz que o condenara. Concedida a autorização, levaram-no à residência do magistrado que, nesse momento, se banqueteava com alguns amigos. O galego voltou a afirmar a sua inocência e, perante a incredulidade dos presentes, apontou para um galo assado que estava sobre a mesa, exclamando: “É tão certo eu estar inocente, como certo é esse galo cantar quando me enforcarem”. Risos e comentários não se fizeram esperar mas, pelo sim pelo não, ninguém tocou no galo. O que parecia impossível tornou-se, porém, realidade! Quando o peregrino estava a ser enforcado, o galo assado ergueu-se na mesa e cantou. Já ninguém duvidava das afirmações de inocência do condenado. O juiz correu à forca e viu, com espanto, o pobre homem de corda ao pescoço. Todavia, o nó lasso impedia o estrangulamento. Imediatamente solto foi mandado em paz. Passados anos voltou a Barcelos e fez erguer o monumento em louvor a S. Tiago e à Virgem.

Fonte. C.M. Barcelos