//Ferreira do Zêzere – Tijeladas

Ferreira do Zêzere – Tijeladas

O nome Tigelada deriva da tigela de barro onde este doce é cozido no forno.

As populares Tigeladas de Ferreira do Zêzere são uma das muitas variantes de um doce conventual que terá tido a sua origem no Convento da Graça, em Abrantes, cujo Arquivo Histórico já lhes faz referência.

Também o Livro de Cozinha da Infanta D. Maria, do século XVI, inclui uma receita de um doce denominado Tigelada, cujos ingredientes e confeção coincidem com os de Abrantes. De acordo com alguns testemunhos, terá sido uma lavadeira de Rio de Moinhos, a quem as freiras do Convento da Graça terão ensinado o segredo do doce, que ofereceu a receita a uma amiga. E assim se começou a divulgar esta especialidade, tornando-se particularmente conhecida em Ferreira do Zêzere.

O nome Tigelada deriva da tigela de barro onde o doce é cozido. A tigela deve ser de barro vermelho não vidrado, e não pode levar qualquer gordura. Cada Tigelada tem a forma de um disco com cerca de dois centímetros de espessura e 10 a 12 centímetros de diâmetro, com uma cor amarelo-torrado e uma textura semelhante à de um pudim.

Ingredientes
4 ovos inteiros; 16 gemas; 500 g de açúcar; 1 chávena bem cheia de farinha; 1 l de leite; raspa de 1 limão.


 

 

Preparação
Durante meia hora, batem-se os ovos inteiros com as gemas, o açúcar e a raspa do limão, juntando-se a farinha a pouco e pouco. De seguida, adiciona-se o leite e mexe-se.
Em tigelas de barro não vidrado, que foram previamente bem aquecidas, deita-se o preparado, sem que as tigelas fiquem muito cheias. Vão então a cozer em forno forte durante cerca de 20 minutos.

Harmonização proposta pela CVR Tejo
As Tijeladas de Ferreira do Zêzere são a sobremesa perfeita para acompanhar com um vinho generoso da Região Tejo.

 

 

IN: Os Sabores da Nossa Terra – Associação para o Desenvolvimento Integrado do Ribatejo Norte