//‘Feira Concurso Arte Doce’ de regresso a Lagos
doce

‘Feira Concurso Arte Doce’ de regresso a Lagos

Os doces tradicionais são o destaque da ‘Feira Concurso Arte Doce’, um dos eventos mais antigos do concelho de Lagos e que em 2022 regressa para a sua 33ª edição.

A edição deste ano tem por tema o ‘Centenário da Chegada do Comboio a Lagos’ e atrai os apreciadores de doçaria algarvia até ao Complexo Desportivo de Lagos, de 27 a 31 de julho.

O evento conta com doces tradicionais, criativo artesanato, petiscos e animação musical com artistas locais e cabeças de cartaz como Rui Veloso e Mariza.

A iniciativa da Câmara Municipal de Lagos tem como objetivo valorizar e preservar a tradição doceira da região. Nesse sentido, a organização do evento premeia os doces em categorias como ‘Qualidade na Tradição’, ‘Tema Obrigatório’, ‘Tema Livre’ ou ‘Doce Inovação’.

Em 2019, o evento ficou marcado pelo aumento do espaço disponível, o que permitiu a participação de mais vendedores, pela modernização da imagem da feira e pela confeção do maior Dom Rodrigo de sempre, com 125,4 kg e que entrou no World Guinness Record.

O doce foi confecionado por 8 doceiras locais, Eugénia Militão, Zezinha Nascimento, Isabel Gonçalves, Filipa Militão, Marina Gonçalves, Elisete Machado, Fátima Malveiro e Ana Furtado quando este doce concorria pelo apuramento para a final do programa da RTP1 “7 Maravilhas Doces de Portugal”.

 

doce

 

Dom Rodrigo

 

Este doce com características únicas e origens em Lagos tem na sua composição fios de ovos, ovos-moles, miolo de amêndoa e canela.

Diz-se que o segredo do Dom Rodrigo de Lagos reside na confeção da calda, obtida ao chegar ao chamado “ponto pérola”, na utilização da amêndoa do Algarve e na forma como é tostado.

Esta iguaria é depois embalada em quadrados de papel vegetal e de papel de prata colorido, o que lhe dá o seu aspeto tão único como se de um presente pronto a ser desembrulhado se tratasse.

Conheça a receita e a história do Dom Rodrigo neste artigo.

 

Imagens: CM Lagos