//Fatias de Tomar

Fatias de Tomar

Confecionado apenas com gemas de ovos batidas exaustivamente e cozidas em banho-maria.

As “Fatias” são o doce típico de Tomar confecionado apenas com gemas de ovos batidas exaustivamente e cozidas em banho-maria numa dupla panela de formato singular especialmente concebida para o efeito. No final da cozedura o bolo é desenformado e fatiado ainda quente. As fatias são encharcadas numa calda de açúcar.
Como o seu nome indica, apresentam a forma de fatias de pão e têm uma consistência macia e húmida.

Um pouco de história
Embora não haja certezas em relação à origem deste doce, conta a lenda que esta era a sobremesa favorita dos frades do Convento de Cristo. A primeira referência com este nome aparece na Arte de Cozinha, de João da Mata, em 1876. Na obra ‘O Doce… nunca amargou’, de Emanuel Ribeiro (1928), refere-se que este doce é uma especialidade da designada Região dos Templários – Tomar
As tradicionais panelas nas quais se confecionam as Fatias de Tomar datam de meados do século XX. Foram criadas por um dos mestres latoeiros da cidade, o senhor Aurélio, que as vendia com a receita do doce no interior. São munidas de chaminé, por onde se acrescenta água a ferver de modo a manter a forma mergulhada durante toda a cozedura.
Por si próprias, são um produto característico e artesanal da região e ainda hoje se podem adquirir, feitas por artesãos locais (família Migalhas).

Harmonização
Bastante doces, geralmente são comidas como sobremesa.
Muito tradicional e interessante é a harmonização com um clássico do concelho, um vinho tinto, maduro, de uma colheita não recente, casta Touriga nacional, uma das mais plantadas na região.
É também usual acompanhar com chá ou licor.

‘Memória de Sabores’ – Homenagem
Assinalamos o 20º aniversário da elevação da Gastronomia Portuguesa a ‘bem imaterial do património cultural de Portugal, com uma homenagem a:
José Quitério, eminente crítico gastronómico, nascido em Tomar.
Jornalista desde 1973, foi o fundador da Secção de gastronomia do semanário Expresso.
Tendo escrito e promovido a boa gastronomia durante quatro décadas, sempre a referenciou como património cultural. Em 2015 foi laureado com o prémio “Universidade de Coimbra”.
José Quitério destaca as Fatias de Tomar do conjunto de doces tomarenses, referindo que “…mais que isto e mais que tudo, são as Fatias de Tomar, outrora designadas Fatias da China, mas desde sempre adstritas ao burgo templário. Uma criação excecional pela simplicidade de elementos e de meios”.

(Conteúdos produzidos pelo município de Tomar, para ‘Harmonizações, histórias e Memórias’, aquando da comemoração dos ‘20 Anos da Gastronomia Património Cultural’, promovida pela AMPV – Associação de Municípios Portugueses do Vinho)

Uma Receita de Fatias de Tomar
https://jornalsabores.com/fatias-de-tomar-2/