//Enchido Ribatejano reúne os sabores do Cozido à Portuguesa
cozido a portuguesa

Enchido Ribatejano reúne os sabores do Cozido à Portuguesa

Premiado e pronto a servir, já pode ser saboreado o Cozido à Portuguesa em forma de enchido.

Numa ideia original que poderá agradar mais a uns do que a outros, a marca ribatejana de enchidos tradicionais ‘Quintinha d’Aldeia’ lançou o ‘Cozido d’Aldeia’, um produto que promete reunir os sabores do Cozido à Portuguesa pré-cozinhados e prontos a servir.

Uma tentativa de facilitar a árdua tarefa de reprodução desta receita que é uma arte? O que é certo é que este produto, elaborado a partir de matérias-primas selecionadas com origem na região e uma das novas apostas desta empresa familiar criada em 2014 em Pernes, conquistou já em 2020 a medalha de ouro no I Concurso Nacional de Inovação e Tradição em Santarém. Trata-se de um enchido cozido, de forma retilínea, massa irregular e marmoreada, composto por carne e gordura de suíno, arroz carolino e enchidos e cheio em tripa de vaca.

A receita é inspirada no saber das gerações e nas raízes da Quintinha d’Aldeia e da sua CEO, Susana Santos, e pretende dar um novo sentido ao legado secular do Cozido à Portuguesa que, no Ribatejo, remonta à segunda metade do século XVII.  Ao cozinheiro de D. Pedro II, Domingos Rodrigues, é atribuída a mais antiga referência ao prato de que há́ registo no livro ‘Arte de Cozinha’ (1680), que reúne as receitas de quase 30 anos ao serviço da corte, que passava longas temporadas em Salvaterra de Magos.

Na corte de D. Pedro II, rei de Portugal entre 1683 e 1706, era presença assídua nos banquetes que o reputado cozinheiro Domingos Rodrigues servia no Paço Real de Salvaterra de Magos, no distrito de Santarém. O cozinheiro esteve quase três décadas ao serviço da corte. Depois, com o avançar dos séculos, foi perdendo importância. A Quintinha d’Aldeia, uma empresa familiar criada em 2014 em Pernes, no Ribatejo, recupera agora a tradição do enchido que recria o sabor de um tradicional cozido à portuguesa.

“Coube-nos a nós, inspirados por este legado, reinventá-lo, mantendo o sabor, mas inovando na sua forma de apresentação e degustação”, refere Susana Santos, diretora-executiva da Servipal, detentora da marca que lançou ‘Cozido d’Aldeia’.

“O segredo do sucesso está na qualidade dos ingredientes que usamos e no conceito de reinventar um dos pratos mais conhecidos da nossa gastronomia, trazendo à mesa dos portugueses a tradição num instante, por ser rápido e fácil de preparar, uma vez que já vem pré-cozinhado. Elaborado a partir de matérias-primas selecionadas com origem na região, apresenta-se como uma iguaria de qualidade superior. Trata-se de um enchido cozido, de forma retilínea, com uma massa irregular e marmoreada, composto por carne e por gordura de suíno, por arroz carolino e por enchidos, cheio em tripa de vaca”, esclarece a empresária.

Este enchido pode ser aquecido no micro-ondas, cortado às rodelas, em apenas dois minutos ou cozido em água a ferver durante três a quatro minutos. Pode ser salteado, servido em sopa ou em ‘embrulhos’.

 

Quintinha d’aldeia

A Quintinha d’aldeia nasce de saberes apurados de um conjunto de pessoas com anos de experiência adquirida e de sabores com tradição. Os seus enchidos são produzidos segundo Métodos Tradicionais, apostando na diferença e na qualidade, respeitando e preservando sempre o Sabor Tradicional. É uma empresa familiar jovem e ambiciosa, com atividade desde 2014, especializada na produção de enchidos e comércio de produtos com a garantia de qualidade da Quintinha d’aldeia como as Compotas, Vinho e Queijo Alentejano.