//Dona Matilde: um branco do Douro para romper paradigmas

Dona Matilde: um branco do Douro para romper paradigmas

Apesar de ser quente, o Douro é capaz de produzir brancos com frescura e acidez surpreendentes.

Dona Matilde é uma quinta clássica do Douro, do vinho do Porto e dos tintos. Agora tem também um novo branco de qualidade superior, a confirmar que o paradigma da região caiu por terra – apesar de ser quente, o Douro é capaz de produzir brancos com frescura e acidez surpreendentes. Mesmo a baixa altitude.

O ano vitivinícola de 2016 revelou-se capaz de um novo branco Reserva Dona Matilde e a equipa decidiu que era tempo de alargar o portefólio desta quinta tradicional do Douro. O processo começou, portanto, na vindima e na escolha das melhores uvas dos lotes de branco da propriedade, de vinhas velhas localizadas a quotas mais baixas e também de vinhas mais recentes e com outras altitudes, de modo a conseguir-se a frescura e acidez adequadas a um vinho equilibrado e elegante.

A aposta numa nova referência de branco é ainda uma resposta à tendência do mercado e ao aumento de procura de vinhos brancos que proporcionem novas experiências. “Tudo o que se disse até agora deixa de fazer sentido. O paradigma de que a região do Douro é muito quente para brancos caiu por terra”, comenta o enólogo da Quinta Dona Matilde, João Pissarra. Melhor tecnologia e mais conhecimento veio permitir afinar processos, quer ao nível da enologia, quer da viticultura, explica o enólogo, contribuindo para que condições menos favoráveis à partida resultem em novos vinhos brancos do Douro, estruturados e capazes de evoluir bem.

Uma intervenção mais atenta e precisa do enólogo não anula, no entanto, o respeito pelo legado do terroir, conclui João Pissarra: “A qualidade das uvas continua a ter uma importância fulcral. O toque de vinificação diferente daquele a que estamos habituados apenas procura valorizar alguns dos componentes, como sejam os aromas secundários e terciários”.

Produzido a partir de castas tradicionais da região utilizadas para o vinho do Porto (Arinto, Viosinho, Gouveio e Rabigato), o Reserva Dona Matilde branco é um vinho estruturado, com fermentação e estágio em barricas de madeira de 300 litros. É um branco mais untuoso, exuberante no nariz e final com boa acidez.

No total, foram produzidas apenas 1333 garrafas, numeradas, correspondentes exatamente a mil litros de vinho, que serão comercializadas em lojas da especialidade com PVP de 20 euros.