//Dar ‘boleia digital’ ao enoturismo português
enoturismo

Dar ‘boleia digital’ ao enoturismo português

Empresa fomenta ‘primeiros passos’ do enoturismo na digitalização com o objetivo de eliminar o notório distanciamento entre o setor do vinho e o mercado do turismo.

A GisGeo Information Systems, fundada e liderada por Delfim Pereira, licenciado em Geografia e mestre em Sistemas de Informação Geográfica e Ordenamento do Território, pretende impulsionar a digitalização do enoturismo em Portugal. A ‘Fine Wine Traveller’ é a primeira app desta estratégia e já foi apresentada, seguindo-se agora a ‘WeDoVisit’.

Foi no ano de 2008, altura em que o mundo começou a sentir os primeiros efeitos daquela que acabou por ser considerada a mais grave crise financeira internacional desde a Grande Depressão, que Delfim Pereira, então aluno da Universidade do Porto, decidiu juntar os conhecimentos na área da Geografia e o interesse pela tecnologia para criar um negócio especializado em desenvolvimento de software e em sistemas de informação geográfica (SIG).

Atualmente a GisGeo Information Systems, que começou por se instalar na UPTEC – Parque da Ciência e da Tecnologia da Universidade do Porto, emprega 12 pessoas na zona das Antas e desenvolve soluções tecnológicas pensadas para capturar, armazenar, analisar, gerir e apresentar dados georreferenciados, que possam ser úteis e relevantes para a tomada de decisões. Para além de criar software web e mobile para outras empresas, a GisGeo desenvolve produtos de marca própria.

Ana Bessa, diretora de marketing e comunicação da empresa, explicou que foi em 2019, quando a empresa começou a ser procurada por algumas empresas e entidades da área do turismo, como o Geopark de Macedo de Cavaleiros, o Instituto de Turismo de Cabo Verde ou a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Norte, que “resultou a perceção do grande potencial que este setor pode representar para a área de negócio da GisGeo, na medida em que o turismo ainda está a dar os primeiros passos na era da digitalização”.

Esta empresa nortenha está a investir para se posicionar como referência neste setor estratégico, apostando na criação de soluções capazes de acompanhar os interesses dos profissionais ligados ao enoturismo e, por outro lado, dar resposta às necessidades atuais dos turistas, e uma das formas de alcançar esse objetivo é através do desenvolvimento de aplicações próprias, direcionadas especificamente para esse segmento.

A ‘Fine Wine Traveller’, primeira app desenvolvida pela empresa que segue esta estratégia, inclui nas funcionalidades informação sobre produtores de vinho, dicas de sommeliers de renome ou propostas de experiências de enoturismo em Portugal, e já foi oficialmente apresentada. Para breve, a gestora prevê o lançamento de uma outra aplicação, a ‘WeDoVisit’, que permitirá aos turistas ter acesso e segmentar a oferta turística do Porto e Norte de Portugal, de acordo com os interesses e motivações de visita.

A app é gratuita e segundo Ana Bessa “nesta fase inicial, o principal objetivo é aumentar o portefólio na área do turismo e tornar esta aplicação autossustentável. Têm vindo a ser criadas parcerias com empresas e produtores da área dos vinhos que, mediante o pagamento de um fee mensal, têm acesso a um conjunto de benefícios especiais, como uma presença de destaque na app ou conteúdos patrocinados. O valor angariado será reinvestido em campanhas de promoção e de publicidade, destinadas a potenciar o alcance e o crescimento da aplicação, para aumentar a notoriedade e a influência da marca junto do setor do turismo.”

 

 

Encurtar a distância entre o setor do vinho e o mercado do turismo

Com conteúdos disponíveis em português e em inglês, a ‘Fine Wine Traveller’ tem download gratuito nos principais sistemas operativos (Google Play, App Store e AppGallery). A empresa ambiciona chegar ao final do primeiro ano com 5 mil utilizadores, 10 mil seguidores nas redes sociais e uma dezena de parcerias com empresas e entidade do setor.

Ana Bessa justifica a aposta no setor do vinho por ser “ainda notório um distanciamento” com o mercado do turismo, algo que segundo a mesma acontece por ser difícil encontrar informação útil, atualizada e organizada numa única plataforma sobre os vinhos, as regiões e as ofertas dos produtores vinícolas, e, por outro lado, porque “persiste ainda a ideia de que o mundo dos vinhos é algo apenas restrito aos grandes conhecedores e às pessoas que dominam uma série de regras e de conceitos”.

No que diz respeito aos conteúdos, esta app arrancou com a informação e a oferta sobre mais de 700 produtores de várias regiões nacionais, podendo o utilizador aceder em cada resultado à geolocalização do produtor, estabelecer contacto direto com ele ou então partilhar com os outros utilizadores a sua classificação em relação à proposta apresentada. A internacionalização da ‘Fine Wine Traveller’ está no calendário da empresa portuense para 2023, depois de validada junto do público jovem, ao qual se dirige em Portugal.