//Contestação a ‘embaixador’ da Lampreia

Contestação a ‘embaixador’ da Lampreia

Juiz da Confraria da Lampreia de Penacova contesta nomeação da responsabilidade da Região Europeia de Gastronomia 2021.

Pelo interesse que consideramos ter para a interpretação das tarefas que cabem a uma associação, neste caso uma Confraria Gastronómica, abaixo reproduzimos (na íntegra e com a devida autorização) o texto recentemente escrito e tornado público por Luís Pais Amante – Juiz da Confraria da Lampreia de Penacova.

A “CIM” dos “embaixadores”.
CIM significa Comunidade Intermunicipal. No caso da nossa região existe a “CIM RC”, que não é da Região Centro, mas sim, só, pelos vistos, da Região de Coimbra.
Não é minha intenção, aqui, discutir o racional, a oportunidade ou a necessidade desta forma de “agrupamento”, até pelo que tenho escrito sobre esse enorme embuste que se tem englobado no tema da regionalização que tanto mal tem feito ao nosso Interior.
Sei, no entanto, de experiência vivida, que quando algo se centraliza em Coimbra, tem tudo para correr mal, porque os tiques dos tempos antigos continuam … e, pelos vistos mantêm-se acoitados quase só à sombra da Universidade; quem está na sombra, safa-se, quem não está fica esturricado.
Tudo é pompa e quase tudo circunstância. Só que, como isso não é trabalho, Coimbra vai definhando, definhando…
… e os dinossauros vão-se mantendo, mantendo!… até um dia …
Constituída a partir da Lei n. 75/3013, de 12 de Setembro, “… tem vindo a ensaiar uma nova abordagem de desenvolvimento regional assente numa estratégia supra-municipal …”, sendo sua intenção confessa “… assumirmos…um papel de parceria…na discussão com a Administração Central e com o Governo …”.
Mais propagandeia: “… trabalharemos de forma concentrada e construtiva com todos os agentes regionais …”!
Aqui chegados, SÓ me importa, hoje, denunciar uma afronta recente feita a Penacova, à Confraria da Lampreia (de que sou Juiz) e à Lampreia, propriamente dita, enquanto produto gastronómico de excelência.
Um parênteses breve para dizer que se ainda existe Lampreia nos nossos rios da tal Região de Coimbra, foi porque a nossa Confraria, ao longo da sua existência e com a dedicação de todos os seus Responsáveis: Manuel Estácio Florido, Valdemar Rosas, Fernando Lopes, eu próprio e Fábio Nogueira, conjuntamente com os Confrades, sem exceção, incluindo os seus famosos Cientistas/Investigadores, se bateu, galhardamente:
– pela construção da escada de peixe, no Açude Ponte;
– pelo impedimento da construção da mini-hídrica do Caneiro;
– pela manutenção de rios despoluídos, vivos;
– pela construção das regularizações de passagem feitas mais recentemente pelo Mare;
E, também, sem sucesso, embora -por inação da APA, que tanto bem mal vai fazendo ao nosso ambiente- da apressada dita obra de desassoreamento na tal Coimbra dos tais dinossauros … cujos contornos dos malefícios à espécie ainda não podem ser totalmente avaliados, mas que serão.
Foi, assim, neste contexto que aqui na Confraria e em Penacova ficámos a saber que tinha sido nomeado (pela tal CIM) como “embaixador” do nosso produto uma pessoa que nunca esteve ligado, minimamente -ao que me dizem- com estas lutas e com estes sentimentos de pertença e de intransigente defesa de uma espécie sem idade mensurável, que toda a gente de bem alia a nós Confraria, a nós Munícipes, a nós Povo de Penacova e aos seus Cozinheiros e Chefes, que continuam a não saber nem a querer bajular esses poderes que para aí existem
Ficam 4 certezas:
O Juiz da Confraria da Lampreia de Penacova vai querer saber -se necessário nas sedes próprias- os integrais contornos desta história mal contada (atribuições para a indigitação, critérios, currículos, pessoas e técnicos envolvidos, propósitos, recomendações, benefícios hipotéticos ou reais);
O Juiz da Confraria vai continuar a discutir este assunto, como já fez na última reunião da AG da Federação Portuguesa das Confrarias Gastronómicas, até ao seu cabal esclarecimento;
E vai propor à Direção para estudar se a “ajuda” -às nossas custas- às Escolas de Hotelaria, que patrocinou enquanto MordomoMor, dirigidas pelo Turismo de Portugal vale a pena continuar, nesta promiscuidade tonta que aqui bem se evidencia;
Esperando que a própria Direção se demarque, já, do reconhecimento desta nomeação triste.
Como é bom de ver:
– Não estão em causa pessoas (que nem se conhecem, nem se valorizam) mas princípios;
– Não se pode transferir know how para quem revela não o merecer e, até, dele se apropriar, por vezes vilmente;
– E não se pode apadrinhar mais uma instituição que aproveita o apoio da Confraria para a nomeação da “Coimbra Região Europeia da Gastronomia”, e faz estes disparates no Convento de São Francisco, rodeado da política no seu pior, espetando facadas nas costas das Confrarias, quiçá com champanhe!
!…Tenhamos verticalidade no Movimento Confrádico …!
Luís Pais Amante
Juiz da Confraria da Lampreia de Penacova

Nota da Redação– Na cerimónia formal de abertura da Região Europeia de Gastronomia 2021, realizada no passado dia 11 de maio, na antiga igreja do Convento São Francisco, João D’ Eça Lima, Chef de Cozinha no Restaurante Xisto foi apresentado como Chef Embaixador da Lampreia.