//Combustível ‘dá’ Ceias de Natal

Combustível ‘dá’ Ceias de Natal

Até 20 de dezembro, cada 3.000 litros de combustível ‘vale’ uma ceia de Natal para a Rede de Emergência Alimentar.

Trata-se de uma iniciativa da Rede Energia, operador de combustível com preços low-cost, assente na campanha ‘Depósito Solidário’, a nível nacional, como ação solidária de incentivo e apoio à Rede de Emergência Alimentar.

Por cada 3.000 litros de combustível vendido, a Rede Energia compromete-se a doar uma ceia de Natal. Com início a 10 de novembro e até 20 de dezembro, sempre que se abastecer num dos 30 postos da Rede Energia, está-se a incrementar o ‘Depósito Solidário’, cujo objetivo é doar o máximo de ceias de Natal às pessoas mais carenciadas e a atravessar maiores dificuldades no nosso país.

O número de pedidos de ajuda feitos à Rede de Emergência Alimentar, atualmente, ultrapassa os 30 diários. Os dados recolhidos pela entidade, criada a 19 de março, mostram que, logo após o fecho da economia, chegaram a existir cerca de 350 pedidos de ajuda por dia, o que representou um acréscimo de cerca de 60 mil pessoas em relação às 380 mil apoiadas pelos 21 Bancos Alimentares de todo o país antes da pandemia, através de 2.600 instituições sociais.


A propósito desta campanha, Nuno Castela, Administrador Rede Energia, explica que “diante da infeliz realidade que hoje enfrentamos é urgente que o apoio social aumente, na mesma medida em que as dificuldades surgem e a Rede Energia não fica indiferente e estabelece este contributo”.

Também a propósito deste “Depósito Solidário”, Isabel Jonet, presidente do Banco Alimentar (BA), assegura que “louvamos esta parceria de elevado valor social, levada a cabo pela Rede Energia, pois permitirá prosseguir o apoio a famílias carenciadas e em dificuldades”.

Sobre a Rede de Emergência Alimentar
A Rede de Emergência Alimentar é uma resposta limitada no tempo até estar ultrapassada a situação de emergência que o país vive. Visa permitir levar alimento a quem dele carece e assim apoiar quem tem baixos recursos económicos e não tenha capacidade de suportar o custo de alimentação que habitualmente é entregue pelas respostas sociais.

Foi estruturada a partir do Banco Alimentar em parceria com a ENTRAJUDA e está assente nas Instituições de Solidariedade Social, nas Juntas de Freguesia e outras entidades que prestam apoio.