//Chefe Silva: Biografia (17) – ‘A Tele culinária’

Chefe Silva: Biografia (17) – ‘A Tele culinária’

O primeiro número da revista semanal da Tele culinária – Revista semanal de cozinha e doçaria – saiu no dia 4 de Outubro de 1976.

 

E logo na estreia da publicação aconteceu um facto digno de registo que, pode dizer-se, ficou em segredo. A foto da capa com o bolo de S. Tomé, não era do bolo, mas da forma.
Mais de 30 anos passados, aqui fica a revelação. Como o bolo se partiu ao desenformar, o Chefe decidiu fotografar a forma, cobrindo-a com creme para “tapar” o metal.

As receitas apresentadas na televisão, qual vedetas, eram apresentadas como “receita filmada da semana” e faziam a capa de cada número.
Desde as primeiras edições, foi criado um espaço, na página 2, para informação como; a preparação de molho de piripiri, conhecer o alho francês, o aipo, as beringelas, as favas, a hortelã da ribeira e diversos tipos de peixes ou as peças de carnes. Mas também alguns dos utensílios de cozinha mais usados na altura como; as facas, o corta massas ou corta bolachas, o canelador (que servia para desenhar ‘riscos’ decorativos nas frutas e legumes), o ‘avisador’ da fervura do leite, a carretilha ou recortilha (destinado a cortar as massas para pastéis), ou a máquina de picar carne (de manivela), entre outros.

António Silva, responsável pela Direção Culinária, referia na sua primeira comunicação escrita:

Habituado a contactar todas as semanas com as donas de casa, sinto que o meu trabalho na TV não ficou concluído e decido-me por esta solução para poder continuar a comunicar convosco.
Não esqueço a responsabilidade que me cabe nesta fase de transição que os nossos hábitos alimentares atravessam, mas tudo farei para que, além de uma necessidade, comer seja também um prazer. A alimentação regrada mas bem confeccionada muito pode contribuir para a boa harmonia no lar.

Na edição nº 9 a notícia do aumento da tiragem para 80 mil. E na 44ª edição, um editorial dava conta da triste realidade. O aumentou para 6$00.

Editorial
Agora, Tele-Culinária a 6$00!
Tem de ser…!
Fizemos estudos, cálculos e previsões: lutámos e economizámos para manter o preço da nossa revista ao custo inicial, mas a dura realidade tem de ser enfrentada. Tudo tem aumentado tanto que só com o acréscimo de 1$00 podemos assegurar a manutenção e progresso desta publicação.
Assim, a partir do próximo número, o nº 45, Tele Culinária passa a surgir ao preço de 6$00. Mas há uma ressalva! As assinaturas continuam ao preço antigo; enquanto tivermos o apoio do Ministério da Comunicação Social e o interesse e o carinho das nossas assinantes, não nos pouparemos a esforços para garantir, neste caso especial, o preço de 5$00.

Num único número da Tele Culinária poderia encontrar-se receitas tão distintas como uma Pizza à Napolitana, a Pinha Farta com profiteroles, um pudim de peixe, um frango no churrasco e umas favas à portuguesa.
Mas essa era apenas uma das características desta publicação que chegou a vender mais de 250 mil exemplares.

A revista nº 100 tinha 32 páginas e foi dedicada a “Petiscos & Patuscadas”.
No editorial, o Chefe confessa-se, admitindo que “esta revista é das que mais prazer me deu preparar”. Para o confirmar basta ler excertos como …onde, melhor que numa patuscada, se estabelece camaradagem saudável e folgazã que faz esquecer os «amargos de boca da vida difícil e árdua?
E continua, transmitindo uma ‘receita’ que ainda hoje não dispensa: Junte à sua beira alguns amigos «fixes», ponha de lado as praxes sociais e os requebros da etiqueta, e ganhe algumas horas de repousante contentamento, numa «patuscada» prazenteira.
Apesar do entusiasmo que o tema lhe suscita, não se esquece de recomendar …umas horas de camaradagem feliz, debicando e bebericando…«com conta, peso e medida. A terminar e tratando-se deste tipo de propostas, não resiste a incluir-se com a frase: Para todos, como para mim próprio, desejo de gostosa e alegre patuscada.

 

Zé Pedro dos Xutos e Pontapés e a Teleculinária

Milhares de avós e mães colecionaram religiosamente cada número da revista que, encadernada, era oferecida às futuras donas de casa, para enriquecer o enxoval.
Por todo o país, proprietários de restaurantes e cozinheiros tinham a revista nas suas cozinhas e usavam-na regularmente para melhorar as suas ementas.

As fãs dos Xutos e Pontapés, hoje com filhos igualmente seguidores do grupo, gostarão de saber que antes de chegar às cozinhas, muitos exemplares da Teleculinária ‘passaram’ pelas mãos do músico Zé Pedro.
Foi o próprio que o recordou numa entrevista onde, sobre os seus tempos de juventude, conta que “nessa altura já tinha arranjado um emprego numa empresa distribuidora das revistas Tele Culinária. Fazia os pacotes, as devoluções e cheguei a fiel de armazém, nada mau!”

Nota – Os textos aqui reproduzidos foram publicados em livro em 2008 pelo que poderão verificar-se ‘desatualizações’)

Chefe Silva – Biografia, tem o patrocínio de:

Do valor dos patrocínios, 25% é atribuído à área de Formação da ACPP – Associação de Cozinheiro Profissionais de Portugal, de que o Chefe Silva foi um dos fundadores.

Pode consultar todos os capítulos já publicados em:
https://jornalsabores.com/category/gastronomia/chefe-silva/