//Borges declara Vintage 2018

Borges declara Vintage 2018

Para o lançamento e face à situação que vivemos, a Borges declarou Vintage 2018 através de um vídeo

A Sociedade dos Vinhos Borges acaba de declarar Vintage 2018. Apesar de a vindima ter sido desafiante, dadas as adversidades climáticas, as condições acabaram por ser favoráveis à produção de um Vintage clássico de excelência.

Para o lançamento e face à situação que vivemos, a Borges declarou Vintage 2018 através de um vídeo onde a arte e cultura da música e do vinho se cruzam, num ambiente de serenidade nas vinhas da Quinta da Soalheira.

“O vinho é uma das bebidas mais abrangentes, com grande variedade de detalhes e nuances, fatores intrínsecos por descobrir que revelam a sua história, terroir e paixão. Acompanhado de música, toca-nos de uma forma mais direta no intelecto e sentimento, tornando a prova uma experiência sensorial mais complexa e completa, com os cinco sentidos ao serviço do momento. Harmonizar o Borges Vintage Porto 2018 com a melodia de um quarteto de cordas é um clássico entre um clássico. Ambos carregam história e emoção, ligados pela harmonia, equilíbrio e sintonia do conjunto, que num uníssono nos remontam a uma nova vida, a um lançamento de um novo ícone, à arte de saber esperar, ao acreditar, à leveza da vida, à complexidade do ser e acima de tudo à partilha e ao saborear de cada nota, que se prolonga no tempo e nos deixa ficar”, explica Ana Montenegro, Gestora de Comunicação e Relações Públicas da Borges.

O ano vitivinícola 2017-2018 foi caracterizado pelo fim da extrema seca, trazendo condições climáticas atípicas, irregulares e imprevisíveis. Estas adversidades foram ultrapassadas graças a um trabalho rigoroso e minucioso na vinha, que preservou o estilo e a identidade de cada casta (Touriga Nacional, Touriga Franca e Sousão), tendo como resultado a criação deste Vintage de grande exuberância aromática.

O Borges Vintage Porto 2018 tem origem na mais rigorosa seleção de uvas da Quinta da Soalheira, um tesouro escondido no Douro mais profundo, que acumula um património singular desde 1904. “Caracteriza-se como um vinho de cor ruby escura e intensa, com um aroma exuberante, jovem, fresco, complexo e com notas resinosas. Na boca revela-se poderoso, encorpado, com taninos firmes, suaves e envolventes num conjunto macio. Apresenta um grande equilíbrio entre a doçura e a acidez, em que o seu sabor transmite na perfeição as sensações aromáticas, realçadas pelas notas a amora e regaliz, com um final de boca persistente”, refere José Maria Machado, Enólogo da Sociedade dos Vinhos Borges.

Este vinho do Porto harmoniza na perfeição com queijos gordos, sobremesas de chocolate e frutos vermelhos, pratos complexos ou simplesmente por si só ao som de uma música clássica.

Sobre os Vinhos Borges:
Fundada em 1884, pelos irmãos António e Francisco, a Sociedade dos Vinhos Borges cedo se transformou numa das principais empresas vitivinícolas nacionais. Reconhecendo que só pela excelência podem os vinhos portugueses afirmar-se no mundo, a Borges desde sempre apostou na qualidade da sua produção, hoje exportada para mais de cinquenta países dos cinco continentes.