//Arruda dos Vinhos – ‘Bruxas d’Arruda’

Arruda dos Vinhos – ‘Bruxas d’Arruda’

Pequenas e deliciosas tortas de noz, recheadas com doce de ovos e cobertas por um fio de chocolate.

As Bruxas d’Arruda integram a doçaria regional de Arruda dos Vinhos. Primorosamente confecionadas estas pequenas e deliciosas tortas de noz são recheadas com doce de ovos e cobertas por um fio de chocolate

Pode encontrar a receita aqui:https://jornalsabores.com/bruxas-de-arruda/

Um pouco de história
As Bruxas d’Arruda foram criadas pela Confeitaria Flamingo Lda., em 1994, sendo conhecidas como a doçaria típica regional. José Filipe de Jesus Ramalheiro, proprietário da Confeitaria, pretendeu divulgar o nome de Arruda dos Vinhos em todo o país e despertar a curiosidade sobre o doce e o território arrudense.
A Confeitaria existe desde a década de 80 e dedica-se à produção de bolos, tartes, tortas e semi-frios para as grandes superfícies. Atualmente, as Bruxas d’Arruda são comercializadas na Loja G Garrafeira Gourmet Gifts, em Arruda dos Vinhos.

Harmonização
Para este doce regional de Arruda dos Vinhos propomos a harmonização com um clássico do concelho, o vinho Licoroso D. Elvira da Adega Cooperativa de Arruda dos Vinhos.

‘Memória de Sabores’ – Homenagem
Assinalamos o 20º aniversário da elevação da Gastronomia Portuguesa a ‘bem imaterial do património cultural de Portugal, com uma homenagem a: José Filipe de Jesus Ramalheiro
“(…) As “Bruxas d’Arruda” que fabricamos são um doce regional, criado em 1994, e o seu aparecimento deve-se ao facto de as pessoas de foram procurarem um bolo regional sempre que cá vinham e Arruda não tinha esse bolo ou doce regional… Como toda a gente sabe, pelo menos cá na terra, havia e há a lenda da Bruxa de Arruda, uma lenda que conta a história de uma rapariga filha de um médico, que já tinha ido aos melhores médicos para lhe curarem a filha e, desiludido, acabou por trazê-la à Bruxa de Arruda. Isto, como se vê, não tem nada a ver com bolos ou doces. Porém, quando o ano passado criámos esse doce regional, havia que lhe dar um nome que de certo modo identificasse com o lugar onde tinha sido fabricado. Ocorreu-nos o nome dessa lenda e não hesitámos em chamar-lhes ‘Bruxas d’Arruda’, uma forma rápida e prática, de o ligarmos à terra onde nasceu. Mas a distinção entre uma coisa e outra pode comprová-la quem abrir a embalagem desse doce regional, onde juntamos um texto sobre a lenda de ‘A Bruxa d’Arruda”. Trata-se de um folheto cedido gratuitamente pelos serviços de Turismo da Câmara Municipal de Arruda. (…) É feito a partir da massa do bolo de noz. A diferença é dada pelo forno e com o recheio do doce. Entra na sua composição a farinha, o açúcar, os ovos, o leite, o chocolate, a noz e a gordura vegetal.”
(Excerto de notícia publicada no “Clarim”, número 48, 15 de março de 1995, p. 7.)


Mais sobre vinhos e gastronomia de Arruda dos Vinhos em:
http://www.cm-arruda.pt/enoturismo-e-producao-de-vinho

(Conteúdos produzidos por este município para ‘Harmonizações, histórias e Memórias’, aquando da comemoração dos ‘20 Anos da Gastronomia Património Cultural’, promovida pela AMPV – Associação de Municípios Portugueses do Vinho)