//Arroz de Lamejinhas

Arroz de Lamejinhas

Informação e receita de um prato associado ao Montijo e uma proposta de vinho para acompanhar.

Muitas das características da cozinha do Montijo derivam da sua proximidade em relação ao rio Tejo.
Implantado junto de um dos braços que prolongam o Mar da Palha, os seus habitantes desde sempre foram buscar às águas parte do seu sustento. Na maré vazante, emergindo do lodo, as lamejinhas, também conhecidas como lambujinhas, são dos bivalves mais abundantes no estuário do Tejo e, por isso mesmo, os menos valorizados comercialmente. Com preços acessíveis, sempre integraram os momentos de convívio mais populares, sobretudo entre os que os apanhavam.
Hoje em dia, continuam a ocupar o mesmo lugar nos hábitos gastronómicos das populações da beira-rio, consumidas como petisco ou usadas na preparação de arroz, podendo servir de refeição completa ou de acompanhamento de enguias fritas, prato típico do Montijo.

Ingredientes

0,5 kg de lamejinhas ; 350 g de arroz; 0,5 dl de azeite; 1 dente de alho; 1 cebola; sal e coentros.
Preparação
Colocam-se as lamejinhas de molho em água salgada durante 48 horas para largarem a areia. Lavam-se, depois, em várias águas, rejeitando as que tiverem cheiro ou aparência suspeita. Faz-se um refogado com a cebola cortadinha, o alho e os coentros em azeite, deitando-se a seguir as lamejinhas bem lavadas. Há quem tire as cascas antes de deitar o arroz e quem as deixe com cascas. Acrescenta-se água, geralmente o dobro do arroz, e deixa-se cozer.
Devem ser rejeitadas as que não abrem durante a cozedura.

Harmonização sugerida pela CVR Península de Setúbal

Para melhor escoltar a untuosidade deste prato, um vinho com base na casta Fernão Pires é o parceiro ideal. Na Península de Setúbal é possível encontrar-se esta casta em muitos vinhos brancos IG Península de Setúbal, na maioria das vezes vinhos de lote, onde também se encontram as castas Moscatel de Setúbal e Arinto. O equilíbrio típico desta casta e os seus
aromas frutados enobrecem a combinação com este prato. Um vinho fresco, vívido e guloso.

Texto e foto: Livro ‘Os Sabores da nossa Terra’: ADREPES – Associação para o Desenvolvimento Rural da Península de Setúbal.