//Almeirim – Sopa da Pedra, Fernão Pires e a ‘Lenda do Frade’

Almeirim – Sopa da Pedra, Fernão Pires e a ‘Lenda do Frade’

A Sopa da Pedra ganhou fama nos anos 60 em Almeirim, terra de produção agrícola e tradições rurais.

Sopa da Pedra
A Sopa da Pedra dispensa apresentações.
Com um ingrediente secreto inusitado mas bem conhecido de todos, é a imagem de marca de Almeirim.
De Almeirim levamos sempre a recordação de como uma sopa basta para fazer uma grandiosa refeição.
A Sopa da Pedra encontra-se em processo de registo comunitário como especialidade tradicional gastronómica.

Um pouco de história
A Sopa da Pedra ganhou fama nos anos 60 em Almeirim, terra de produção agrícola e tradições rurais. Sendo dos pratos mais tradicionais de Portugal, a Sopa da Pedra, cujos ingredientes são produzidos no concelho de Almeirim, mantém o seu modo de confeção inalterado, fazendo assim uma homenagem ao povo Almeirinense.
Existem dezenas de restaurantes que são visitados semanalmente por milhares de pessoas que empregam população nascida no concelho. A Sopa da Pedra é a principal atração gastronómica que faz de Almeirim um ponto obrigatório para uma refeição completa. Almeirim assume, assim, a condição de ‘Capital da Sopa da Pedra’.

Harmonização
Para este tradicional e muito apreciado produto, propomos a harmonização com vinhos da casta mais plantada no Ribatejo – Fernão Pires – e a que está mais presente nos vinhos brancos da região.
De forte intensidade aromática com lembranças de flores e frutos, deve ser vindimada cedo para que estas características não se acentuem em excesso.

(Conteúdos produzidos por este município para ‘Harmonizações, histórias e Memórias’, aquando da comemoração dos ‘20 Anos da Gastronomia Património Cultural’, promovida pela AMPV – Associação de Municípios Portugueses do Vinho)

A Lenda do Frade ‘espertalhão’
À história (real) do aparecimento e afirmação da Sopa da Pedra, pode acrescentar-se a imaginativa e engraçada lenda do Frade:
Conta-se que um frade andava no peditório e quando bateu à porta de um lavrador foi-lhe negada qualquer dádiva. O frade, cheio de fome, disse que apenas precisava de água… para fazer uma sopa com uma pedra. Cheios de curiosidade, o lavrador e a mulher foram acedendo aos pequenos pedidos do frade, desde o tacho de barro para colocar a água e um canto do lume, até aos ‘temperos’ como um pouco de unto, uma pedrinha de sal, e depois um simples olho de couve, uma cenourita e, para rebater um pedaço de chouriço e talvez um pouco de orelha ou beiço de porco. A pouco e pouco, foi surgindo uma excelente e substancial sopa. Quando o frade acabou de comer, lavou e guardou a pedra perante o espanto dos donos da casa, a quem disse que a pedra era necessária para preparar a próxima refeição. E assim comeu à custa de quem, por curiosidade, inicialmente apenas aceitou dar-lhe água.
Para conhecer a receita:

https://www.cm-almeirim.pt/conhecer-almeirim/gastronomia/item/202-sopa-de-pedra-receitas