//Adega de Palmela: 62 anos de uma história de sucesso

Adega de Palmela: 62 anos de uma história de sucesso

Aposta nos engarrafados em simultâneo com a modernização da sua imagem, trouxe à Adega um novo rumo marcado pelo rejuvenescimento e ascensão da marca.

A Adega Cooperativa de Palmela, que tem sido uma referência junto dos produtores da região, reúne atualmente um total de 300 associados, 1000 hectares de vinha, com produções calculadas em 10 milhões de quilos de uva e 8 milhões de litros de vinho.

A forte aposta nos engarrafados em detrimento do vinho a granel em simultâneo com a modernização da sua imagem, trouxe à Adega um novo rumo marcado pelo rejuvenescimento e ascensão da marca. Em 2016 um conjunto de investimentos de dois milhões de euros que permitiram a modernização do sistema de receção da uva e fermentação, o que aumentou a capacidade de receção em cerca de 20 por cento, para 400 toneladas por dia. Com este esforço de investimento, a Adega Cooperativa de Palmela renovou a esperança no futuro. Foi criado um novo logótipo com ícones que fazem parte da identidade da marca, contam a história da região e a verdadeira origem das vinhas de Palmela. Também os rótulos da Adega sofreram uma alteração e passaram a enaltecer locais e monumentos da região, com a assinatura “vinhos que contam histórias”, a partir da silhueta única da Vila de Palmela.

Sobre estas mudanças, o Presidente da Adega de Palmela, José Manuel Coutinho afirma que “os efeitos têm sido recompensadores. Temos conquistado muitos prémios e, este ano, já duplicámos os que tínhamos conquistado no ano anterior. Posso mesmo dizer que é o nosso melhor ano de sempre e tenho a certeza de que, para o próximo ano, vamos voltar a aumentar o número de prémios, porque estamos a ter um ano excelente em termos de qualidade das uvas, que estão a dar entrada na nossa adega. Apostamos na melhor relação qualidade/preço, podemos mesmo afirmar, que neste momento temos a melhor relação qualidade/preço no mercado. As vendas apresentaram uma subida de 20% em 2016 (face a 2015) e, ao que tudo indica, este ano vai haver também uma subida 20% em relação a 2016.”

Luís Silva, enólogo e gerente da Adega, aponta “a importância da organização, do planeamento rigoroso de todas as tarefas e de um conhecimento profundo dos 1000 hectares de vinhas dos associados. Obviamente, as condições intrínsecas da região são outra das chaves da qualidade destes vinhos. Apesar de incentivarmos a plantação de algumas castas melhoradas ou diferenciadoras, queremos sempre preservar o Castelão como casta principal, para mantermos essa tipicidade que tanto se procura. Nos vinhos brancos, o Concelho de Palmela é também uma área de excelência para a produção desse grande ex-libris da Península de Setúbal que é o Moscatel.”