//À descoberta do Programa ‘Enoturismo na Vindima’
enoturismo

À descoberta do Programa ‘Enoturismo na Vindima’

Em Palmela houve visita guiada, corte das uvas, experiência de pisa a pé, provas comentadas, degustações e muito mais.

Portugal é um país com uma forte tradição vitivinícola. A qualidade dos seus vinhos tem vindo cada vez mais a ser reconhecida em todo o mundo através dos numerosos prémios e distinções conquistados em concursos internacionais.

Para os apreciar e conhecer da melhor forma, o enoturismo representa um excelente veículo, com ofertas acrescidas no mês de setembro, o mês das vindimas por excelência, a altura de colher as uvas, levá-las nos cestos, pisá-las e dar vida ao néctar dos deuses.

Durante este mês, os convites para descobrir o vinho no seu meio natural surgem de todo o país e o da Adega de Palmela, que em 2021 arrecadou mais de 70 medalhas em concursos de vinhos nacionais e internacionais, despertou a nossa atenção.

Fomos conhecê-lo um pouco melhor.

O ‘Enoturismo na Vindima’ é um programa com visitas, provas e degustações, destinado aos amantes de vinho, que promete dar a conhecer os processos que ocorrem antes do mesmo chegar ao nosso copo, numa experiência dedicada à cultura vinícola.

A Equipa do Jornal dos Sabores foi convidada a embarcar nesta experiência. Como somos amantes da boa comida e do bom vinho e os nossos leitores sabem que o nosso lema é “Saber, aumenta o prazer de beber e comer”, foi-nos impossível recusar o convite e lá fomos nós, no passado dia 1 de setembro, a caminho de Palmela.

Pelas 9h00, fomos recebidos pela Teresa Grilo, responsável de Enoturismo da Adega de Palmela e pela Susana Madeiras, diretora comercial da Adega, que nos deram as boas vindas no espaço ‘Moments in Nature’, um local recente, imerso na natureza, mais precisamente nas vinhas, escolhido para esta parceria, onde recebemos o nosso “Kit de vindima”, para mais tarde colocarmos mãos à obra e realizarmos a experiência do corte de uvas. Mas antes, a Teresa aproveitou para fazer uma breve introdução acerca do que poderíamos esperar deste dia e do que esta experiência nos pretendia oferecer. Foi nesta altura que nos apercebemos de que a Teresa é literalmente uma “máquina” no que toca a vinhos e experiência enoturística, alguém que sabe que nem todos os enoturistas são iguais e cada um tem uma história pessoal e diferente de todas as outras, o que a leva a procura que cada um consiga recriar a sua história e ter uma experiência personalizada.

O objetivo deste programa consiste em fazer com que o participante possa “sentir-se em casa e viver um dia pleno, disfrutando daquilo que a mãe natureza tem para oferecer, porque hoje em dia a época das colheitas nas quais a vindima se enquadra, é algo que muitas pessoas aguardam ao longo do ano, principalmente as que têm uma vida agitada, que vivem nas grandes cidades, porque é um momento muito enriquecedor. Temos a oportunidade de estar com pessoas diferentes a aprender coisas novas no meio da natureza”, referiu Teresa Grilo.

O Enólogo Luís Silva, que também esteve presente e nos acompanhou durante toda esta experiência, aproveitou para contextualizar a importância do momento numa vertente mais técnica, explicando que “o dia da vindima é uma data que é calculada com muita precisão onde se procura que a uva tenha um ponto de maturação suficiente para conseguir fazer o vinho pretendido, com o perfil desejado.

Luís Silva acrescentou ainda que “nem todas as uvas servem para o mesmo vinho e por vezes da mesma casta saem perfis de vinhos diferentes”, realçando a importância de “termos logo bem presente o tipo de vinho que queremos, porque é pela maturação da uva que definimos logo a partida aquilo que vai ser o vinho.”

 

enoturismo

 

Com alguma tristeza no olhar, característica de quem respeita e tem uma forte ligação com a natureza, Luís sublinhou que “este ano a Natureza não nos quis dar muita coisa. Inicialmente prometeu muito, mas, entretanto, no mês de julho houve calores intensos, que provocaram um escaldão na nossa região sobretudo em duas castas, a Castelão e a Moscatel, as mais representativas e simbólicas da nossa região. Este ano está prevista uma quebra de aproximadamente 30% nestas duas castas, com grande prejuízo para o agricultor. Estamos muito dependentes daquilo que a Natureza nos dá e esperamos que esta falta de quantidade pelo menos reverta em qualidade. Em seguida terão a oportunidade de ver com os vossos olhos o resultado do efeito extremo da temperatura que ocorreu este ano na Península de Setúbal.”

Fizemos tesouro daquilo que ouvimos e iniciamos a simulação daquilo que é um dia de vindima com o espírito de equipa e boa disposição, característicos desta atividade desde os tempos mais antigos: pegámos nos baldes, nas tesouras e nos chapéus e demos início a esta experiência. Foi com grande orgulho que a nossa equipa encheu dois baldes! Nas fileiras conseguimos ter a perceção de que o calor de facto queimou muito as uvas, comprovando o que nos foi explicado.

 

 

Satisfeitos com o nosso resultado final, pousamos as ferramentas e regressamos ao ‘Moments in Lounge’ onde fomos ‘confortados’ com tapas acompanhadas pelos vinhos da Adega de Palmela.

 

enoturismo

 

Já a meio da manhã, com o estômago aconchegado, seguimos para a visita guiada à Adega, onde fomos recebidos pelo presidente da mesma, Ângelo Machado. Foi-nos mostrado e explicado todo o processo de vinificação e o percurso que a uva faz antes do vinho chegar ao nosso copo. Tivemos a oportunidade de assistir ao processo de receção da uva que mais tarde dará origem aos vinhos que o enólogo já se desafiou a propor para serem colocados mais tarde a venda.

 

 

Na Adega, participamos também numa experiência de pisa a pé das uvas que foram apanhadas por nós nas vinhas, um momento muito especial que nos fez viajar ao passado.

 

 

Por fim, foi-nos dada a conhecer a ‘Cave de Barricas’, espaço idealizado para provas de vinho onde teve lugar o almoço, com prova comentada dos vinhos que o acompanharam, de entre os quais o Vale de Touros Vinhas Velhas Reserva Tinto, produzido com uvas de vinhas com mais de 50 anos de existência, que tem tido grande aceitação por parte do público. Durante o almoço fomos desafiados a não termos medo de experimentar diversas harmonizações.

 

 

Para acompanhar o café, Luís Silva apresentou-nos um verdadeiro “tesouro escondido” da Adega, um produto que descobriu “quando para aqui vim há alguns anos, numa prova que fiz de vinhos, de todos os moscatéis e aguardentes, descobri que tínhamos uma aguardente fantástica, não sei dizer a idade, mas é muito velha, foi o primeiro técnico que a adega teve que a fez. Posso dizer que o senhor morreu em 1990, portanto, considerando que não foi a última coisa que fez, podemos dizer que é anterior a essa data. É um produto fantástico, um ótimo digestivo. Já não temos muito, temos 10 mil litros deste produto para o resto da nossa vida, portanto é muito pouco. Não temos pressa nenhuma em vendê-lo, guardámo-lo para ocasiões especiais como esta e espero muito que gostem.”

A experiência terminou pelas 16h, com uma oferta de uma garrafa de vinho da Adega.

Para todos aqueles que ficaram curiosos e gostariam de participar nesta experiência, deixámos abaixo o programa detalhado e os contactos.

 

Adega de Palmela apresenta ‘Enoturismo na Vindima’

O programa está aberto ao público nos dias 7, 14, 21 e 28 de setembro e tem início pelas 9h, com a receção no espaço ‘Moments in Nature’, onde os visitantes irão receber o “Kit de vindima”, para assistir ao corte de uvas nas vindimas, acompanhado de tapas e vinhos da Adega de Palmela. A meio da manhã, acontece na Adega de Palmela a visita guiada à Adega, seguindo-se da experiência de pisa a pé seguido pelo almoço na Cave de Barricas, com prova comentada dos vinhos.

Durante a visita às vindimas, a marca irá revelar o que está por detrás do processo de vinificação desde a receção da uva até ao produto final, terminando no espaço idealizado para provas de vinho e com a oferta de uma garrafa de vinho no final da experiência.

 

Ementa do almoço 12h30 às 16h:

– Creme de Legumes

– Bacalhau à Brás com Azeitonas Pretas Servido com Salada Fresca

– Lombo de Porco Recheado com Ameixas Servido com Batatinhas e Legumes

– Cheesecake com Frutos Vermelhos

Bebidas: Sumo de laranja, água e vinho da Adega de Palmela

Vegetariano: possibilidade de combinar a ementa sob aviso prévio

Oferta de uma garrafa de vinho

Custo da experiência por pessoa: 90€

Transporte é da responsabilidade do cliente

Possibilidade de fazer a reserva de dormida no Moments in Nature (custo e reserva à parte da experiência vínica).

 

Para fazer a sua reserva, contacte: enoturismo@acpalmela.pt ou (+351) 969 127 472

 

Marta Brescianini