Vinho de talha «resiste» no Alentejo

O vinho de talha é produzido, ainda hoje, por uma técnica romana de vinificação assente nas talhas de barro que recorre a uma grande componente de mão-de-obra.

A começar agora a dar os primeiros passos na exportação e a ser alvo da atenção empresarial das grandes adegas este tipo de vinho foi tratado recentemente em Cuba, durante a 1ª Conferência de Vinho de Talha, que contou com a presença de especialistas e produtores.

Professor aposentado do Instituto Superior de Agronomia e um reputado especialista no estudo desta técnica ancestral de produção vitivinícola, Virgílio Loureiro deixou o alerta para o perigo de extinção que correm as tabernas tradicionais, onde era vulgarmente consumido o vinho em debate.

Virgilio Loureiro recuperou memórias daqueles espaços que ao longo de décadas foram ponto de encontro e socialização de homens, sobretudo trabalhadores agrícolas. Eram espaços de socialização onde nunca faltava o cante ao despique e os petiscos de pêro, tomate ou toucinho.

6-1A Herdade do Esporão produz vinho de talha desde 2014, num processo que obrigou os seus especialistas a irem para o terreno à procura de quem ainda conhece os segredos deste processo de vinificação. Hoje, e de acordo com António Roquette, gestor de enoturismo da Herdade do Esporão já produzem e comercializam o resultado desse investimento.

A Adega Cooperativa de Vidigueira, Cuba e Alvito produz, anualmente, cerca de 600 litros de vinho de talha. Um produto obrigatoriamente mais caro devido ao grande investimento exigido em mão-de-obra, como refere José Miguel Almeida, presidente da Adega Cooperativa.

Em Portugal, o Alentejo tem sido o grande guardião dos vinhos de talha, tendo sabido preservar até aos dias de hoje este processo de vinificação desenvolvido pelos romanos. Ao longo dos tempos, a técnica de fazer vinho em talhas foi sendo passada de geração em geração, de forma quase imutável. Ainda assim, não existe apenas uma maneira de fazer vinho em talhas, variando ligeiramente consoante a tradição local.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *