Vinho de talha pode ser «mina de ouro»

Especialista norte-americano de vinhos, considerou que os vinhos de talha do Alentejo podem constituir uma autêntica «mina de ouro» para Portugal.

Produzido em grandes vasilhas de barro e com tradição apenas nesta região portuguesa e na Geórgia, “o vinho de talha tem um grande potencial, pode mesmo ser uma mina de ouro e por isso, Portugal e o Alentejo têm de aproveitá-la”, defendeu à agência Lusa o especialista Paul White, à margem do 10.º Simpósio de Vitivinicultura do Alentejo, em Évora.

O especialista, que escreve em órgão de comunicação social do setor para além de ser considerado um dos mais conceituados críticos acrescentou que “há 10 ou 12 anos, toda a gente queria vinhos frutados mas, agora, a audiência global para os vinhos alterou-se. Querem vinhos como os de talha, que acompanhem melhor a comida e que tenham um sabor mais mineral e vegetal, mais complexo, sem tanta fruta ou notas de carvalho”, argumentou.

Paul White, alertou ainda para a necessidade de os portugueses serem rápidos pois “na zona onde vivo, na Nova Zelândia, há duas pequenas adegas e já têm duas talhas. E a maior empresa de vinhos do país também já tem algumas talhas. A minha previsão é que, dentro de 10 anos, quase todas as adegas por todo o mundo tenham talhas e comecem a produzir estes vinhos”, alertou.

Em Portugal, segundo a Comissão Vitivinícola Regional Alentejana (CVRA), o “grande guardião” dos vinhos de talha tem sido o Alentejo, que soube “preservar até aos dias de hoje este processo de vinificação desenvolvido pelos romanos” e que terá chegado à região há dois mil anos.

A CVRA explicou hoje à Lusa que, neste processo, as uvas esmagadas são colocadas dentro das talhas de barro e ficam a fermentar, durante vários meses, em cima das massas formadas pelas películas do fruto, saindo depois o líquido para o exterior, através de uma torneira, límpido e puro.

De acordo com dados da CVRA fornecidos à Lusa, no primeiro ano de certificação, foram produzidos 3.200 litros de vinho de talha. Esse número “tem aumentado gradualmente” e, no ano passado, a CVRA já certificou “quase 44 mil litros”, ou seja, “12 vezes mais do que em 2011”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *