Videiras chinesas em testes no espaço

Cabernet Sauvignon, Merlot e Pinot Noir são as três castas selecionadas, para viajar no Tiangong-2,recentemente lançado para o espaço.

O objetivo desta esperiência no mais recente laboratório espacial chinês é avaliar o impacto das radiações cósmicas no material genético do vinho, no sentido de tornar as plantas mais resistente ao frio, à seca e aos vírus.

Embora passe despercebido, para além de ser o maior consumidor de vinho do mundo, a China tem também uma produção vitivinícola em expansão e os cientistas chineses afirmam esperar que “a viagem das videiras no espaço possa disparar mutações que as tornem mais adaptadas ao clima severo que se sente em algumas regiões onde se está a plantar vinha”, refere o site DecanterChina.com.

Clima gelado e solo desfavorável estão entre os desafios que os produtores chineses enfrentam em regiões como Ningxia, coração da produção local de vinhos, que enfrenta temperaturas de até -25 graus Celsius durante o inverno. De acordo com o site chinês, os pesquisadores esperam que a exposição das amostras à “radiação espacial” possa disparar mudanças genéticas que ajudem as plantas a desenvolverem “novas resistências ao frio, seca e vírus”.

As videiras enviadas agora ao espaço foram recolhidas em de plantações em Ningxia, reconhecida pela produção dos vinhos de mais alta qualidade do país. Em outubro, dois taikonautas — como são conhecidos os astronautas chineses — serão enviados ao Tiangong-2 para a realização de pesquisas pelo período de 30 dias. Depois disso, as videiras voltarão à Terra e serão comparadas com um grupo de controle, em busca das melhores mutações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *