«Tripas à moda do Porto» é menos calórico que hambúrguer e batatas fritas

As conclusões são de uma análise laboratorial da Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto (FCNAUP).

A revelação é do diretor da FCNAUP à agência Lusa, a propósito da conferência «Redescobrir a Alimentação Tradicional Portuguesa», que se vai realizar no próximo domingo, dia 29, no Porto, no âmbito do Dia Nacional da Gastronomia
Na análise laboratorial efetuada na Universidade do Porto concluiu-se que 100 gramas de tripas à moda do Porto têm menos quilocalorias do que um menu de fast-food com dose média de batatas fritas.

Com a referida quantidade do prato vulgarmente conhecido no país como «dobrada com feijão», confecionada com enchidos magros, registam-se234 quilocalorias. Isto quer dizer que se ingerirmos cerca de 300 gramas daquelas tripas à moda do Porto, vamos acabar a refeição com uma porção de cerca de 700 quilocalorias, o que é um resultado “muito animador”, disse à Lusa o diretor FCNAUP.

As conclusões da análise laboratorial da FCNAUP são ainda “mais entusiasmantes” se tivermos em conta que as quilocalorias do prato de tripas estudado com orelheira, mão de vaca, salpicão magro, cenoura, cominhos, feijão e pimenta, com 300 gramas são ainda mais baixas, do que uma refeição de hambúrguer e uma dose de batatas fritas média, que aponta para 850 quilocalorias, adiantou Pedro Moreira.

Aproveitando o Dia Nacional da Gastronomia, a FCNAUP, para além de aflorar os temas “Redescobrir a Alimentação Tradicional Portuguesa” e “Da Idade do gelo à Francesinha”, pretende também valorizar a “gastronomia rústica” e as tradições alimentares locais, designadamente o azeite, vinhos, frutas e produtos locais, e, por outro lado, contrariar a “superabundância de alimentos ultra processados e ricos em açúcar, sal e gordura”.

“Na gastronomia nacional existem autênticos tratados de combinações alimentares saudáveis, especialmente quando estas propostas são consideradas no conjunto da refeição, em que há que contar com a sopa e a sobremesa, para além do prato principal”, acrescentou Pedro Moreira, alertando que se deve fritar o menos possível os alimentos, porque “fritar muito poderá aumentar o risco de ganho de peso e de hipertensão” e pode também “agravar o envelhecimento”.

O Dia Nacional da Gastronomia foi instituído em 2015 pela Assembleia da República Portuguesa.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *