Sopa de coelho

O concelho do Cartaxo, situado na margem direita do rio Tejo, é uma região de contrastes, de grande desenvolvimento urbano provocado pela sua localização próxima da capital, mas que convive lado a lado com um mundo rural que teima em preservar as suas tradições. A sua paisagem, fora dos maiores aglomerados urbanos, onde a indústria assentou arraiais, é um variado mosaico de terras de semeadura alternando com os vinhedos que dão origem aos vinhos do Cartaxo. A mancha de verde que os olhos alcançam faz adivinhar a fertilidade do solo. Os seus habitantes, mesmo com outras actividades, mantêm uma forte ligação com a agricultura e não desprezam os costumes ancestrais. A abundância de erva em toda a região foi sempre um pretexto para a criação de coelhos no quintal, ao pé da porta, destinados ao consumo próprio, o que levou, naturalmente, ao aparecimento de muitas receitas com base neste pequeno herbívoro que continuam a fazer parte dos pratos característicos deste concelho.

Para a excelência desta Sopa de Coelho, confeccionada com o coelho doméstico alimentado a erva e a hortaliça, concorrem também os produtos hortícolas de qualidade e o vinho da região, que tão bem combinam com a sua carne suculenta.

Ingredientes

1 coelho; 1 cebola média; 1 couve lombarda; 6 batatas médias; 500 g de feijão branco cozido; 3 colheres de sobremesa de calda de tomate; 1 pimento vermelho; 0,5 l de vinho branco; 0,5 l de vinho tinto; 2 dl de azeite; 1 colher de sopa de manteiga; 1 colher de so¬bremesa de piri-piri ou a gosto; 1 pão de trigo; 1 ramo de coentros; sal q.b.
Preparação

Refoga-se o coelho partido aos bocados com os temperos, a cebola picada, a calda de tomate, os vinhos branco e tinto, o pimento às tiras, o azeite e a manteiga. Quando estiver tudo refogado, acrescen¬ta-se meio litro de água, de seguida a couve cortada miudinha, as batatas aos cubos miúdos e, por último, o feijão branco. Na altura de servir, cortam-se as fatias do pão de trigo, espalham-se os coentros pica¬dos e coloca-se por cima a sopa.
Harmonização

A carne de coelho merece ser apreciada com vinhos tintos elaborados, finos e elegantes, de preferência de safras mais antigas e com estágio em madeira. Escolha um vinho da Região Tejo com aroma elegan¬te e corpo macio, que se enquadre bem com o sabor único desta carne.

O texto e a receita aqui apresentados estão publicadas no Livro «Os Sabores da Nossa Terra» pela APRODER- Associação para a Promoção do Desenvolvimento Rural do Ribatejo.

A foto que acompanha este texto resulta do empratamento feito pela Escola Profissional de Vale do Tejo (Santarém)após confeção de acordo com a receita tradicional.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *