//Saleiros ‘fora’ das mesas dos restaurantes e incentivo a alimentos biológicos

Saleiros ‘fora’ das mesas dos restaurantes e incentivo a alimentos biológicos

Retirar os saleiros das mesas dos restaurantes é uma das várias medidas de promoção da ‘Alimentação Saudável’ que o Governo quer implementar.

Alargar as restrições de venda de alimentos nas máquinas automáticas a todos os organismos do Estado e criar mecanismos que facilitem a compra de alimentos biológicos pelos organismos públicos estão, também, entre as medidas anunciadas.

O objetivo é aplicar a Estratégia Integrada para a Promoção da Alimentação Saudável (EIPAS), um grupo de trabalho criado em 2016, cujas conclusões integram ainda o incentivo à redução do tamanho das porções dos alimentos e bebidas pré-embalados, por parte das empresas do setor.

Para além de proibir a venda de salgados, produtos de charcutaria bolos e refrigerantes, nas unidades de saúde públicas, o Governo revelou que assinou protocolos com a indústria alimentar com vista à redução do tamanho dos pacotes de açúcar e com os industriais de panificação o documento assinado pretende reduzir o teor de sal no pão.

O conjunto de medidas adotadas, envolvendo os ministérios da Saúde, Agricultura, Mar, Administração Interna, Educação, Economia e Finanças, são justificadas pelos estudos científicos “que demonstram também que a prevalência de determinadas doenças é muito elevada na população portuguesa, com 1 em cada 4 portugueses a possuir hipertensão arterial e 1 em cada 10, diabetes”.

“Atualmente, e em Portugal, os hábitos alimentares inadequados são o fator de risco que mais contribui para o total de anos de vida saudável perdidos pela população portuguesa (15,8%) e um determinante importante da doença crónica, representando mais de 86% da carga de doença no nosso sistema de saúde”, refere o documento recentemente publicado no Diário da República.

No documento da Estratégia Integrada para a Promoção da Alimentação Saudável propõe-se, também, que nos eventos públicos organizados pelos serviços e organismos da administração direta e indireta do Estado exista obrigatoriamente a oferta de água, fruta e ou produtos hortícolas.