//Sabor de comida, sem comida

Sabor de comida, sem comida

Aparelho, em contacto com a língua, usa cinco géis que acionam cinco sabores diferentes.

Todos sabemos que a língua ‘capta’ cinco sabores diferentes: doce, azedo, salgado, amargo e… ‘umami’. Pois, talvez até ainda não tenha conhecimento deste quinto sabor pois não há muito tempo que começou a entrar na lista que durante muitos anos aprendemos que eram, apenas, os quatro primeiros.

Pois no Japão, mais precisamente na Universidade de Meiji, o pesquisador Homei Miyashit criou o Norimaki Synthesizer, ao que parece inspirado na facilidade com que nossos olhos podem ser levados a ver algo que na verdade pode não existir. Com base nesse princípio tecnológico, Miyashita fez uma abordagem semelhante para enganar a língua e criou um monitor de sabor.

O Norimaki Synthesizer usa cinco géis que acionam os cinco sabores diferentes quando eles fazem contacto com a língua humana. Depois, é libertado um gel com uma substância que reproduz cada um desses sabores combinados para reproduzir um sabor único, como por exemplo chocolate ou mesmo sushi, mas o ‘inventor’ promete ir muito mais além na combinação de sabores.

Os materiais do Norimaki são feitos de glicina para criar o sabor doce, ácido cítrico para ácido, cloreto de sódio para salgado, cloreto de magnésio para amargo e sódio glutâmico para o tal umami. Quando o dispositivo é pressionado contra a língua, sente-se os cinco gostos ao mesmo tempo, mas sabores específicos são criados misturando-os em quantidades e intensidades específicas.

E já agora fique a saber que quem ‘descobriu’ o tal quinto sabor foi também um japonês. Trata-se do químico Ikeda Kikunae quem 1908 descobriu o ‘umami’ que significa “gosto saboroso e agradável” em japonês. O ‘umami’ desempenha um papel importante no nosso prazer pela comida, e pode ser encontrado naturalmente no glutamato monossódico. Como sabor é difícil de ser descrito, mas está presente em alimentos como peixes, crustáceos, espinafre, cogumelos, tomates e queijos, entre outros.

Na área da alimentação, façam as evoluções tecnológicas que quiserem porque ao ‘tuga’ nada substitui a ‘mastigação’ e o sabor real de um cozido à portuguesa com os enchidos, a orelha, o chispe, o toucinho, as couves, o feijão e tudo o mais que integra o cozido à portuguesa.