//Padaria de portugueses premiada em Paris

Padaria de portugueses premiada em Paris

Emigrante foi premiado em 1998 e filhos também conquistaram prémios em 2014 e 2019.

António Teixeira foi de Fafe para França na década de 1960 e depois da formação em padaria e pastelaria abriu em 1993 a ‘Aux Délices du Palais’. A primeira distinção chegou em 1998 com o prémio da Melhor Baguete de Paris, distinção que foi repetida em 2014 por um dos dois filhos. Este é um dos títulos mais importantes para uma padaria parisiense, já que a torna passagem incontornável no roteiro dos amantes deste pão tipicamente gaulês.

Agora, Christian Teixeira, o outro filho do português emigrante, acaba de conquistar o terceiro lugar no Grande Prémio da Pastelaria de Paris, um prémio que vem juntar-se aos dois relacionados com a baguete, conquistados pelo pai e pelo irmão.

Na ‘Aux Délices du Palais’, padaria fundada por um português no 14.º bairro da cidade, agora gerida pelos filhos, serve-se a tradicional baguete e também uma grande e diversificada variedade de pastelaria.

“Eu gosto mesmo de trabalhar numa padaria, porque é aqui que a pastelaria tem a sua verdadeira representação porque temos os grandes clássicos. Trabalhamos com matérias modestas e não é por ter ganho este prémio que vou aumentar os preços, quero que os meus clientes possam ter qualidade, mas a um preço razoável”, disse Christian Teixeira, em declarações à agência Lusa.

O luso-descendente e chefe pasteleiro está há três anos na padaria fundada pelo pai e tem vindo a desenvolver esforços de renovação da pastelaria tradicional, uma aposta que acabou agora por dar frutos com a atribuição do prémio por parte da Câmara Municipal parisiense

“Ao telefone disseram-me que fomos a primeira padaria de bairro a ganhar um prémio. Foi o terceiro lugar mas é como se fosse o primeiro entre todas as padarias de Paris. É difícil fazer concorrência à pastelaria de hotel, porque os produtos que eles usam são muito mais caros. Aqui, um bolo a 10 euros já é muito difícil de vender”, contou à Lusa Christian Teixeira.

Para o doce que conquistou este prémio o pasteleiro luso-descendente aliou a mousse de chocolate Dulcey ao caramelo e à maçã com canela colocando no cimo, em destaque, uma Torre Eiffel em chocolate.

Quanto à pastelaria portuguesa, por enquanto não passa dos pastéis de nata, mas “este ano vou pela primeira vez ao norte para descobrir o que é verdadeiramente Portugal e a pastelaria portuguesa”, confessou Christian Teixeira.